• Competição - Entenda como funciona o processo da criação de fibras musculares

Entenda como funciona o processo da criação de fibras musculares

O colunista Dr. Newton explica como acontece e como deve ser feito os estímulos para o corpo construir músculos

Alterações fisiológicas e estruturais nas fibras musculares surgem devido ao aumento da força muscular, que são adquiridas através do treinamento resistido (musculação) constante. Existem dois aspectos envolvidos neste processo: um neural e dois musculares.

As alterações no sistema nervoso, em resposta ao treinamento, são denominadas de adaptações neurais. A força muscular não depende apenas da quantidade de massa envolvida, mas também da ativação do sistema nervoso.

Geralmente nas primeiras 12 semanas de treinamento, o ganho de força vem dos aspectos neurais Foto: Undrey/Fotolia

Geralmente nas primeiras 12 semanas de treinamento, o ganho de força vem dos aspectos neurais Foto: Undrey/Fotolia

As provas da Athenas são ótimas opções para crescer na distância. Escolhe entre 15, 18 ou 21km. Clique aqui!

Geralmente nas primeiras 12 semanas de treinamento, o ganho de força vem dos aspectos neurais, veja quais são:

1 Melhora da coordenação intramuscular;
2. Maior eficiência nos padrões de recrutamento neural, aumentando a ativação do músculo agonista;
3. Inibição do órgão tendinoso de Golgi;
4. Melhora da coordenação intermuscular;
5. Melhora a coordenação entre os músculos agonista/sinergista do movimento a ser realizado;
6. Expansão nas dimensões da junção muscular;
7. Aumento no conteúdo de neurotransmissores pré-sinápticos;
8. Aumento no número de receptores pós-sinápticos;
9. Maior sincronicidade na descarga de unidades motoras;

O processo de hipertrofia muscular tem início com a aplicação do estresse mecânico, gerado pela contração muscular. Este fato induz as proteínas sinalizadoras a ativarem os genes, que promovem uma síntese proteica. Com isso, ocorre o aumento do tamanho da fibra muscular e também do número de filamentos de actina, miosina e adição de sarcômeros dentro das fibras musculares já existentes.

A hipertrofia pode ser classificada na literatura, como: sarcoplasmática e miofibrilar.

A hipertrofia pode ser classificada na literatura, como: sarcoplasmática e miofibrilar Foto: Yeko Photo Studio/Fotolia

A hipertrofia pode ser classificada na literatura, como: sarcoplasmática e miofibrilar Foto: Yeko Photo Studio/Fotolia

A sarcoplasmática é decorrente do redirecionamento do fluxo sanguíneo para o músculo em contração (resposta aguda ao treinamento).

A miofibrilar é caracterizada por mudanças estruturais, resultantes do aumento do tamanho das fibras pré existentes.

O processo de hipertrofia muscular em um programa de treinamento resistido inicia-se com o estresse metabólico e mecânico, os quais causam microlesões nas fibras musculares.

Em seguida, macrófagos e neutrófilos iniciam o processo de regeneração muscular. As alterações provocadas pelo treinamento resistido (aumento da temperatura muscular, fator de crescimento semelhante à insulina (IGF 1), interleucina-6, óxido nítrico) ativam células satélites, que sofrem proliferação e subsequente diferenciação em novos núcleos. Um maior número de núcleos pode ser mais estimulado para obter aumento da síntese proteica.

Contrações excêntricas são mais eficientes para provocar o dano muscular. A hipertrofia é produto de uma relação complexa dependente do treinamento e de fatores hormonais, nutricionais e genéticos.

Através do fortalecimento muscular o corredor poderá adquirir um melhor desempenho nos treinos e provas, evitando e minimizando a incidência de lesões.

Confira mais conteúdo no site www.areadetreino.com.br e Canal no Youtube.

Comentários

Tags:, , , ,
Newton Nunes
Formado em Educação Física pela Universidade de São Paulo (USP) em 1992. Servidor Público pelo Hospital das Clínicas (HC FMUSP) e Professor pelo Instituto do Coração (InCor) desde Março de 1994. Especialista em Reabilitação Cardiovascular pelo Instituto do Coração (1993 a 1994). MESTRADO pela USP em 2000. DOUTORADO pela USP em 2005. Professor da Universidade Gama Filho, UNIFMU e FEFISA desde 2002. Professor da Universidade Estácio de Sá.
Publicidade

Calculadoras Webrun

Publicidade