1980 – Jogos Olímpicos de Moscou

De 19/07 a 03/08/1980

O maior acontecimento dos Jogos ocorreu alguns meses antes: em 28/12/1979, o Exército soviético, atendendo a um chamado do líder afegão Barbrak Karmal, invade o Afeganistão para apoiá-lo contra os rebeldes Muslim. A invasão soviética acarretou na invasão política nos Jogos. O presidente dos USA, Jimmy Carter, protestou e ordenou o boicote de seu País aos Jogos, assim como solicitou que outros o fizessem, sendo acompanhado por 61 países, entre eles Japão e Alemanha Ocidental. Outros decidiram recomendar o boicote, mas deixaram a decisão aos próprios atletas. Devido ao boicote, compareceram apenas 81 países, o menor número desde 1952.

No desfile de abertura, diversos países optaram por desfilar com a bandeira do COI. Participaram dos Jogos 5.512 atletas, sendo 109 participantes brasileiros (94 homens e 15 mulheres).

A maior delegação era a soviética, 506 atletas. O boicote acabou acarretando no enfraquecimento do nível dos Jogos, apesar dos 36 recordes mundiais. Com a ausência dos USA, a URSS ganhou 80 medalhas de ouro e a Alemanha Oriental 47. Os países do bloco soviético ganharam 161 medalhas de ouro.

O Brasil trouxe 2 medalhas de ouro no iatismo e 2 de bronze (atletismo, com João do Pulo e na natação, revezamento 4 x 200).
A União Soviética destinou um orçamento de US$ 9 bilhões aos Jogos para fazer uma excelente Olimpíada, com excelentes locais para competições, vila olímpica e infra-estrutura. Na grande arena do Estádio Central Lenin, com capacidade para 100.000 pessoas, ocorreram a abertura, atletismo e futebol. Na pequena arena, com 8.300 lugares, tivemos o vôlei. No Palácio dos Esportes, também no conjunto Lenin , foram disputados judô e ginástica. Outro local movimentado foi o conjunto esportivo Olympiiski, que tinha 2 ginásios distintos, sendo um para 16.000 pessoas, onde tivemos o basquete e outra para 15.000 pessoas assistirem às lutas de boxe, além de uma piscina coberta para 13.000 espectadores.

A cerimônia de abertura foi um dos pontos altos dos Jogos: milhares de soldados com cartazes coloridos faziam muitas alegorias mostrando diversas cenas e imagens, inclusive a do mascote Micha (a imagem do mascote Micha chorando no encerramento ficará gravada na memória de todos que a viram). O tricampeão olímpico Viktor Saneiev foi o escolhido para entrar com a tocha olímpica no estádio, enquanto que o jogador de basquete Serguei Belov foi o encarregado de acender a pira olímpica. O porta-bandeira do Brasil foi João Carlos de Oliveira, o João do Pulo.

As vendas de ingressos foram um sucesso, inclusive no Brasil, onde foram vendidos todos os 5.214 ingressos disponíveis.

O atletismo reuniu 979 atletas de 70 países. O 2º esporte que reuniu maior nº de países foi o boxe, com 273 atletas de 51 países. A natação teve 537 atletas de 45 países.

Havia equipamentos eletrônicos para cronometragem e medição em todos os esportes.

O Brasil participou das 2 maiores provas de Moscou. No salto triplo, os favoritos eram os soviéticos Jaack Uuamde e Viktor Saneiev, o brasileiro João do Pulo e o australiano Ian Campbell. O australiano teve 5 de seus 6 saltos considerados queimados, alguns duvidosos e o brasileiro João do Pulo teve 4 de seus 6 saltos, inclusive os melhores, considerados faltosos. Os dois primeiros lugares ficaram para os sovíeticos (Uuamde, com 17,35 e Saneiev, com 17,29). O brasileiro ficou com a medalha de bronze ao saltar 17,22. Mas ficará sempre a dúvida sobre a imparcialidade da arbitragem.

Outro grande momento do atletismo foi a corrida dos 800m, quando Steve Ovett venceu Sebastian Coe. Ambos eram britânicos e dificilmente se enfrentavam diretamente, sempre correndo em diferentes meetings ou provas separadas. Ovett venceu os 800mcom 1:45.4, que era a prova preferida de Coe. O brasileiro Agberto Guimarães, que havia vencido o Pan-Americano em Caracas nos 800 e os 1.500m, fez uma corrida brilhante e terminou em 4º lugar com 1:46.2, tendo chorado muito após a prova pois estivera tão próximo da medalha. Perdera para dois monstros sagrados das provas de meio fundo de todos os tempos. Coe ganhou a prata nos 800 com1:45.9.

Poucos dias após, nos 1.500 metros, Coe consegue a sua medalha de ouro com 3:38.4, deixando o alemão Jurgen Straub em 2º com 3:388 e Ovett fica em 3º com 3:39.0. Ovett era o favorito não só pela vitória nos 800 como por ter vencido 42 provas consecutivas em 1.500 e milha
No atletismo, outro destaque ficou para Mirus Yifter, da Etiópia, que venceu os 5.000m em 13min21s0 e os 10.000 em 27min42s7. Nos 5000 a prata ficou com o tanzaniano Suleiman Nyambui com 13:21.6 e nos 10.000 a prata foi para o finlandês Kaarlo Maaninka com 27:44.3. Mas as provas de fundo sem quenianos que aderiram ao boicote ficaram mais fáceis.

Nos 3000 com obstáculos prevaleceu a experiência do polonês Bronislaw Malinowski ( 4º em 1972 e prata em 1976) vencendo com 8:09.7 derrotando o favorito Filbert Bayi que seria um dos favoritos nos 1.500 mas decidiu se concentrar nos 3000 com obstáculos onde era menos experiente . Bayi ganhou prata com 8:12.5.

Na maratona o grande destaque foi para o alemão Waldemar Cierpinski que repetiu o feito de Bikila tornando-se bi campeão com 2:11.03 deixando o holandês Gerald Nijboer em 2º com 2:11.20
Nos 800 metros feminino vitória com recorde mundial da soviética Nadezhda Olizarenko com 1:53.42 num pódio totalmente soviético com Mineyeva em 2ª e Providokhina em 3ª. Nos 1.500 a soviética Tatyana Kazankina que havia ganho ouro em 1976 venceu os 1.500 em Moscou com 3:56.6

Na ginástica olímpica, o destaque ficou para Alexander Didiatim que obteve 3 medalhas de ouro, inclusive no geral individual, 4 medalhas de prata e 1 de bronze. O húngaro Zolktam Magyar vence no cavalo com alça, prova em que é considerado o melhor atleta da história.
Na ginástica feminina reinou a soviética Elena Davydova, tendo a romena Nadia Comanecci levado o ouro na trave.

No futebol, a Tchecoslováquia vence a Alemanha Oriental na final por 1 a 0. Romualdo Arpi Fº atuou como árbitro. No basquete masculino, a Iugoslávia sagra-se campeã ao derrotar a Itália na final.

No atletismo, além de João do Pulo e Agberto Guimarães, tivemos a participação na finas dos revezamentos 4 x 100 (Milton de Castro, Nelson Rocha Santos, Katsuhico Nakaya e Altevir Araujo, em 8º, com 39s54) e 4 x 400 (Paulo Corrêa, Antônio Eusébio Ferreira, Geraldo Pegado e Agberto Guimarães, em 5º, com 3min05s9). Conceição Geremias foi a única atleta feminina do Brasil.

No remo tivemos uma participação razoável com o 8º lugar no quatro com timoneiro de Laildo Machado, Wandir Kuntz, Walter Soares, Henrique Johan e Manoel Novo.

No basquete, com uma equipe nova, o Brasil termina na 5ª colocação. Carioquinha, Marquinhos, Gilson, Marcel, Oscar, Adilson e Marcelo Vido eram nossos destaques. Oscar Schmidt foi o cestinha brasileiro com 169 pontos.

No boxe, os destaques brasileiros foram Francisco Carlos de Jesus, que na categoria meio-leve venceu 2 lutas e foi eliminado pelo cubano Armando Martinez, que tornou-se o campeão. Sidnei dal Rovere, peso-pluma, também venceu 2 lutas. Participamos também de ciclismo, ginástica, halterofilismo, judô (Walter Carmona, na categoria até 86kg, venceu 3 lutas), tiro ao arco, tiro (Sílvio Carvalho foi o 9º colocado em pistola).

No vôlei feminino, que teve a URSS como campeã, o Brasil foi o 7º tendo Isabel, Jacqueline e Vera Mossa na equipe.
No vôlei masculino, que também teve a URSS como campeã, o Brasil foi o 5º colocado com Xandó, Montanaro, Renan, Willian, Amauri, Bernard e Bernardinho.

Na natação, os brasileiros tiveram uma boa atuação. Djan Madruga foi o 4º nos 400 metros livres, com 3min54s14 e 5º nos 400m medley, com 4min26s81. No revezamento 4 x 100 medley fomos 8º (Rômulo Arantes, Sérgio Ribeiro, Cláudio Kestenerl e Jorge Fernandes). No revezamento 4 x 200 livre conseguimos a medalha de bronze com Jorge Fernandes, Marcus Mattioli, Ciro Delgado e Djan Garrido Madruga, com 7min29s30. Após três 4º e um 5º lugar em provas individuais, o excelente Djan Madruga finalmente conseguia uma medalha olímpica no revezamento.

O iatismo foi o esporte que mais alegria deu aos brasileiros em Moscou. Tivemos uma atuação brilhante na classe 470 com os jovens Marcos Soares e Eduardo Penido conquistando o ouro e tendo vencido a 2ª e 4ª regatas. Fomos campeões também na classe Tornado com Alex Welter e Lars Bjorkstrom, que venceram a 2ª, 5ª e 6ª regatas. Na classe Finn, Claudio Biekark conseguiu a 4ª colocação, tendo vencido a 3ª regata. Na Soling, com Vicente e Gastão Brun e Luios Roberto Souza, ficamos em 6º. Na classe Flying Dutchman fomos 8º com Reinaldo Conrad e Manfred Kaufmannn e na classe Star, com Eduardo de Souza Ramos e Peter Erzberger, o 9º.

Este texto foi escrito por: Sergio Coutinho Nogueira

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts