2.500 mulheres correm Circuito Vênus em SP

Premiação dos 5km (foto: David Homsi/ www.webrun.com.br)
Premiação dos 5km (foto: David Homsi/ www.webrun.com.br)

Para celebrar o Dia Internacional da Mulher, comemorado no sábado oito de março, 2.500 corredoras e caminhantes participaram nesse domingo da primeira etapa do Circuito Vênus, evento realizado só para elas em São Paulo. Veja como foi.

São Paulo – Dessa vez os homens ficaram de fora. Encostados nos alambrados e grades, que separavam a largada do público, diversos representantes do time masculino foram só apoiar e prestigiar as mulheres que correram 10 ou cinco quilômetros no Jóquei Clube de São Paulo.

Com uma ponta de inveja, muitos deles brincaram sobre o atraso da largada, que começou oito minutos depois que o previsto. Alguns até exclamaram: “falei que a largada iria atrasar, só porque é de mulher”. Mas o atraso, segundo a organização do evento, aconteceu por causa de uma autorização do Centro de Engenharia e Tráfego de São Paulo (CET).

Após o aval do CET a mulherada disparou em direção ao Jóquei numa manhã quente da capital paulista. Para a atleta e treinadora Cris Carvalho, foi curioso ver um público tão feminino correr com a força de um cavalo num ambiente mais rústico.

Mas a poeira da terra, que subia no meio da prova, não tirou o encanto das mulheres. Um grupo de amigas de Sorocaba, da equipe Run Uper, participou da competição com uma fantasia especial. Todas estavam com saia rosa e orelhas de coelho.

A idealizadora da idéia foi Rosangela Scabar. “A gente decidiu correr assim para homenagear o dia das mulheres e antecipar a páscoa. A prova foi delicada, os banheiros eram mais limpos. Tudo isso porque só tinha mulher”, revela.

O marido de Rosangela, Paulo Scabar, que também é corredor, não gostou muito de ficar de fora. “Foi triste não participar. Somos maridos e levamos as esposas em todas as corridas. Mas a gente apóia a iniciativa. Agora tem que surgir uma corrida só para homens”, protesta.

Mais homens – Se de um lado a feminilidade e delicadeza do evento conquistou as corredoras, por outro a falta de homem incomodou. “Comentei com a minha irmã que deveria ter mais homens nas tendas do evento, entregando os brindes”, diz a esportista Paula Ariane. Sua irmã, Juliana Ariane, mesmo envergonhada com o assunto, também concordou com a idéia.

Para as duas o evento teve seus pontos bons e seus pontos fracos. “Eu sou chata. Achei que a entrega do kit demorou muito. A largada atrasada também não foi legal, mas em compensação a medalha da prova é linda”, conta Juliana, que corre há 10 anos.

Vencedoras – A primeira mulher que cruzou a linha de chegada foi Vivian Oliveira com 20min49. Surpresa com a vitória, a jovem atleta ficou feliz com o resultado. “Eu vim apenas para correr bem e não para vencer. Foi a primeira vez que participei de uma prova só para mulheres e gostei da iniciativa”, conta.

A segunda e a terceira colocação ficaram respectivamente com Juliana Cruz (21min32) e Michelle Seignier (21min47). Já nos 10 quilômetros a grande vencedora foi Beatriz do Nascimento que declarou que a prova parecia um jardim de rosas.

A segundo colocada dos 10 quilômetros foi Cris Carvalho no tempo de 39min31. E a terceira posição foi para Odete Conceição em 41min32. Após a corrida todas as participantes receberam uma medalha pingente com cristal Swarovski, além de mimos como massagem e aula de yoga.

Este texto foi escrito por: Donata Lustosa

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts