3 Motivos para não cortar todas as gorduras do cardápio

Ao começar uma dieta, muitas pessoas passam a trocar os produtos do supermercado por aqueles que têm escrito “light” na embalagem, e geralmente cortam tudo o que tenha gordura na composição. Porém nem sempre esta é a melhor escolha, de acordo com o especialista de Nutrição Otimizada Rodrigo Polesso, nem toda gordura deve ser cortada do cardápio.

“Existem muitos estudos que comprovam que, para emagrecer, deve-se manter o consumo de algumas gorduras, desde que sejam de alimentos verdadeiros, ou seja, aqueles mais naturais possíveis. Priorize o que chamo de Alimentação Forte, que é um estilo de vida alimentar baseado no consumo correto e estratégico de alimentos de verdade e na prática de hábitos comprovadamente saudáveis, para se atingir um peso ideal e mantê-lo por toda a vida”, explica.

Foto: Fotolia
Foto: Fotolia

Conheça 3 motivos para não eliminar toda gordura da sua dieta:

  1. A gordura boa é o melhor macronutriente

Polesso explica que existem dois macronutrientes essenciais nos alimentos: gorduras e proteína. “A gordura tem o menor impacto na glicemia e na produção insulina”. Segundo o especialista, é a produção desregulada de insulina que cria no corpo a condição de acumular tecido adiposo. “O consumo de gordura também induz à saciedade e à sensação de estômago cheio”, afirma, destacando a importância de se consumir a gordura de alimentos verdadeiros.

  1. O consumo das gorduras certas não causa problemas cardíacos

Segundo o especialista, a crença de que o consumo de gordura leva a problemas cardíacos existe por pesquisas de anos atrás e que já podem ser consideradas desatualizadas. “Em 2014, o erro de condenar a gordura foi corrigido, quando foi feita uma revisão de 76 estudos com mais de 600 mil participantes de 18 países, que chegou à conclusão de que nem as gorduras poli-insaturadas e nem as saturadas possuem qualquer relação com doenças cardiovasculares”, afirma.

  1. A gordura ajuda a reprogramar o corpo

O consumo de alimentos ricos em gordura saudável, como carnes, óleos, sementes e oleaginosas, e até frutas ricas em gordura, como o abacate, podem ajudar o corpo a se reprogramar para não acumular gordura. “Se o corpo fica um período de pelo menos 30 dias sem consumir carboidratos, ele começa a queimar gordura em vez de açúcar, e então passa a liberar as travas hormonais que dificultam o emagrecimento, e que ocorrem justamente devido ao consumo de carboidratos. O especialista explica que, após um período de mudança do corpo, é possível voltar a consumir este macronutriente.

“Não é necessário viver a vida toda sem comer carboidratos, mas conhecer profundamente sobre os alimentos permite equilibrar a alimentação da melhor forma. Os índices de obesidade no Japão são muito baixos, mesmo em uma sociedade que consome muito arroz, e ainda podemos citar a farinha de mandioca como muito presente na culinária brasileira, que herdamos dos indígenas”, exemplifica, ressaltando casos em que os carboidratos podem fazer parte de uma dieta saudável. “Mesmo assim, são as gorduras que têm um papel fundamental na reprogramação e na saciedade”, completa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carolina Abrantes

Carolina Abrantes

Estudante de jornalismo, já metida a repórter. Encantada pelo mundo dos esportes e pela forma como eles podem mudar a vida das pessoas.

Ver todos os posts