Água: existem momentos em que a substância pode ser prejudicial?

O corpo humano é composto 73,2% de água, portanto essa substância se torna essencial para a vida no planeta e indispensável para garantir a funcionalidade adequada do organismo de praticantes de atividade física. Porém, existem situações em que a água pode ser prejudicial, causando desidratação, ser nociva e até mortal.

De acordo com o fisiologista do exercício e professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), Paulo Roberto Correia, a água tem que estar em equilíbrio com os sais minerais do organismo para que tudo funcione corretamente. Caso algum deles esteja em excesso, a pessoa irá sofrer com os sintomas.

“Caso falte sais minerais ou água nas células cerebrais, por exemplo, a pessoa terá vertigem e até mesmo alucinações, como ocorre com os náufragos que, em momento de extrema sede, tomam água do mar, rica em sódio, e morrem de desidratação”, revela o médico. Porém, os sintomas mais frequentes são tontura, dor de cabeça e enjoo.

O profissional também conta que essas sensações são comuns em corredores que abusam do posto de hidratação. “Muitas vezes, pessoas despreparadas percorrem distâncias mínimas, ingerem uma quantidade excessiva de água e quando voltam para a prova passam mal. Isso ocorre porque ela perdeu muito sódio por meio da transpiração e não repôs”, conta e completa: “o adequado é tomar isotônico”.

+ Corra! Confira aqui o seu calendário completo de corridas!

Água: existem momentos em que a substância pode ser prejudicial?
Foto: Adobe Stock

Em que momentos a água pode ser prejudicial?

Ingestão extrema – Existem relatos de pessoas que morreram após ingerir uma grande quantidade de água (cerca de seis litros) em um período de tempo muito curto, mas Paulo diz que isso não é comum. “Nesse caso, o indivíduo já devia apresentar problemas cardíacos e não resistiu à hiponatremia, como é chamada a falta de sódio do sangue”, explica.

Diabetes – O excesso de glicose no sangue leva o rim dos diabéticos a trabalhar duplamente para conseguir eliminar essa substância, por isso as idas ao banheiro são frequentes. “Essas pessoas não percebem que estão eliminando muito sódio também a acabam tomando muita água. Esse processo faz com que a pessoa desidrate e acabe tendo que tomar soro”, alerta Paulo Roberto.

Pressão baixa – Pessoas hipotensas, ou seja, que têm pressão baixa também não devem ingerir somente água quando estiverem passando mal. “Em um primeiro momento a pressão pode até voltar ao normal, mas logo ela irá despencar e existe a chance de desfalecer. Nesse caso, o ideal é oferecer isotônico, para repor os sais minerais e água ao mesmo tempo”, sugere o fisiologista.

Hidratação com água gelada pode contribuir para quebras

Vítimas de acidente – É comum pessoas que sofrem acidentes, como batidas de carro, pedirem água enquanto aguardam socorro. Nesse caso, a água pode ser fatal. “Um dos sintomas de hemorragia interna é a sede. Caso o sujeito ingira água, a hemorragia irá progredir mais rápido, levando a pessoa a óbito”, conta o profissional.

Em casos mais brandos, como um desmaio, também não deve-se ingerir a água. “O risco dessas pessoas engasgarem é muito grande e se o líquido for para o pulmão, o quadro será agravado”, conclui.

Este texto foi escrito por: Rafaela Castilho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts