A alimentação pode ser uma grande aliada na prevenção ao câncer de mama

O câncer de mama continua sendo uma doença muito comum entre as mulheres, com incidência global anual de mais de 2 milhões de casos, sendo a principal causa de morte por câncer entre mulheres em países desenvolvidos e em desenvolvimento. Entre os fatores de risco bem estabelecidos estão: histórico familiar, idade da menarca e da menopausa, história reprodutiva, fatores de estilo de vida potencialmente modificáveis como consumo excessivo de álcool, fumo e certos padrões de alimentação, incluindo dietas ocidentais ricas em alimentos processados.

A alimentação pode ser uma grande aliada na prevenção ao câncer de mama
Foto: Fotolia

A alta incidência enfatiza a importância de buscar estratégias de prevenção. O World Cancer Research Fund (WCRF), afirma que os hábitos alimentares têm papel importante na prevenção e tratamento da doença. Estudos associam padrões de alimentação, como a dieta mediterrânea ao risco reduzido de câncer de mama. Além disso, alimentos específicos podem até proteger contra essa doença. Confira com a nutricionista Adriana Stavro:

Dieta mediterrânea: A dieta é considerada um dos fatores modificáveis ​​mais importantes, que contribuem para a prevenção d doença. A adesão ao padrão alimentar de estilo mediterrâneo tem sido sugerida como um fator benéfico para a prevenção da doença.

No estudo Dieta mediterrânea espanhola e outros padrões dietéticos e risco de câncer de mama de 2014, os autores mostraram que o padrão alimentar de estilo mediterrâneo tem papel protetor contra o risco de mortalidade por câncer de mama. A ligação entre a ingestão alimentar e o câncer pode ser atribuída ao efeito indireto de nutrientes específicos sobre o câncer de mama, devido à sua influência na inflamação, dano e reparo do DNA, estresse oxidativo e modificações genéticas. Esses nutrientes incluem ácidos graxos, polifenóis (epigalocatequina-3-galato (EGCG), resveratrol, compostos organossulfurados, quercetina e micronutrientes (zinco e selênio) comumente encontrados em uma dieta de estilo mediterrâneo.

+ Acompanhe o Webrun pelo Instagram!

Ácidos graxos ômega-3: Peixes gordurosos, incluindo salmão , sardinha e cavala, são conhecidos por seus impressionantes benefícios à saúde incluindo efeito protetor contra a doença.

No estudo de 2015 sobre os Ácidos graxos ômega-3 para prevenção ao câncer de mama, que avaliou mulheres com altas taxas de ingestão de ômega-3 marinhos eicosapentaenoico (EPA), e ácido docosaexaenoico (DHA) em relação ao ácido araquidônico ômega-6 , o resultado apontou que os ácidos graxos EPA e DHA são mediadores lipídicos importantes, associados à diminuição da inflamação e estão associados na prevenção da doença.
Para examinar a associação entre o risco de câncer de mama e a ingestão de PUFA n-3 na dieta, foi realizada uma meta-análise com 21 estudos de coorte prospectivos envolvendo 20.905 casos de câncer de mama e 883.585 participantes. Foi relatado que o consumo mais alto de PUFA n-3 está associado a uma redução de 14% no risco de câncer de mama.

Embora a força motriz predominante na carcinogênese da mama seja considerada hormonal, a produção de citocinas e a inflamação também estão sendo reconhecidas como importantes no desenvolvimento e progressão da doença. Um aumento progressivo de macrófagos ativados e células T é observado entre o tecido mamário normal, doença proliferativa e o câncer. O estímulo para o aumento da infiltração e proliferação de células inflamatórias no câncer de mama é desconhecido, mas com etiologias variadas, incluindo alterações genéticas, reação à quebra de componentes da membrana basal, e para mulheres obesas a produção excessiva de citocinas inflamatórias a partir de adipócitos, por isso o ômega 3 é importante.

Quercetina: É um pigmento flavonoide encontrado em várias frutas, vegetais e folhas ( brócolis, cebola, maçã, pimentão, alcaparra, limão, uva, trigo sarraceno). Além de sua atividade antioxidante, foi relatado que a quercetina exerce propriedades antitumorais potentes.

Estudos sugerem que os efeitos protetores da quercetina resultam da morte de células cancerosas, e restauração de genes supressores de tumor e inibição da expressão de oncogene. Além disso, descobriu-se que a quercetina reverte as alterações epigenéticas associadas à ativação de oncogenes, e inativação de genes supressores de tumor.Além disso, a quercetina aumenta os efeitos quimioterápicos da doxorrubicina contra células de câncer de mama, e reduz seus efeitos colaterais citotóxicos (a doxorrubicina é um quimioterápico de primeira linha para câncer de mama). A quercetina também pode inibir a angiogênese em células de câncer de mama resistentes ao tamoxifeno, o que é um sério problema terapêutico entre pacientes com a doença.

Epigalocatequina-3-galato (EGCG): Esta substância presente no chá verde, foi amplamente estudado por seu potencial efeito protetor de vários tipos de cânceres em humanos. Em comparação com outros chás, ele contém a maior quantidade de compostos bioativos que pertencem ao grupo dos polifenóis. Há evidências de que o EGCG exerce efeitos protetores contra a tumor gênese, devido ao seu principal polifenol, a epigalocatequina-3-galato (EGCG). A maioria dos dados experimentais mostrou que os polifenóis podem modular várias vias de sinalização, e regular o crescimento, a sobrevivência e a metástase de células cancerosas em vários níveis.

Dados in vitro demonstraram que os polifenóis podem induzir a morte celular programada em células de câncer de mama, seja por uma indução específica, ou por modulação epigenética da expressão de genes relacionados à apoptose.

Ervas e especiarias: Salsa, alecrim, orégano, tomilho, cúrcuma, curry e gengibre, contêm compostos vegetais que podem ajudar a proteger contra o câncer de mama. Estes incluem vitaminas, ácidos graxos e antioxidantes. O orégano é fonte de vitaminas como A, C, K e zinco, ferro, magnésio, cálcio e potássio. Além disso, possui propriedades antioxidantes (ácido rosmarínico) que ajudam a combater doenças degenerativas como câncer. Ele também possui propriedades antibactericidas, anti-inflamatórias e diuréticas. A curcumina , o principal composto ativo na cúrcuma, também demonstrou propriedades anticâncer significativas, assim como a apigenina, um flavonoide encontrado na salsa.

+ Veja aqui como participar de uma corrida virtual!

Compostos organossulfurados: Alho , cebola, cebolinha e alho-poró são vegetais que possuem inúmeros nutrientes, incluindo compostos organossulfurados, antioxidantes flavonoides e vitamina C.

No estudo de agosto de 2020 sobre o consumo de cebola e alho e câncer de mama, um estudo de caso-controle em Porto Rico, os resultados mostraram que o alto consumo de cebola e alho protegem contra o câncer de mama nessa população.

Outro estudo de 2016 sobre o consumo de alho e risco de câncer de mama, mostrou que o alto consumo de alho e alho-poró pode reduzir o risco da doença.

Grãos integrais: (Quinoa, arroz integral, aveia, arroz selvagem, painço, cevada) Estudos epidemiológicos mostraram que a alta ingestão de grãos integrais, pode estar associada a um risco reduzido de câncer de mama.

Na revisão sistemática e meta-análise de estudos observacionais de 2018, sobre associação entre a ingestão de grãos integrais e o risco de câncer de mama, onde foram incluídos 11 estudos, sendo 4 de coorte e 7 de caso-controle, envolvendo 131.151 participantes e 11.589 casos de câncer de mama, os resultados da meta-análise sugerem que a alta ingestão de grãos integrais, pode estar inversamente associada a um risco reduzido de câncer de mama, e a associação inversa foi observada apenas nos estudos de caso-controle, mas não nos estudos de coorte.

Vegetais com folhas verdes: Couve, rúcula, espinafre, mostarda e acelga, são apenas alguns dos vegetais de folhas verdes que podem ter propriedades anticâncer.

Uma análise conjunta de 8 estudos de coorte de 2012, compreendendo mais de 80% dos dados prospectivos publicados no mundo sobre carotenoides plasmáticos ou séricos e câncer de mama, incluindo 3.055 casos e 3956 indivíduos controle, sugere que mulheres com níveis circulantes mais elevados de α-caroteno, β-caroteno, luteína + zeaxantina, licopeno e carotenoides totais, podem ter risco reduzido de câncer de mama.

Em outro estudo de 2015, sobre carotenoides plasmáticos e risco de câncer de mama ao longo de 20 anos de acompanhamento com 826 mulheres, os autores concluíram que, as mulheres com alto teor de carotenoides no plasma tinham risco reduzido de câncer de mama, particularmente para doença mais agressiva e fatal.

Folato (vitamina B9): Os feijões, lentilha, ervilha, grão de bico, ovo, carne e vísceras. Não é difícil conseguir um bom aporte da vitamina se o cardápio incluir estes alimentos.

Uma análise conjunta de 23 estudos prospectivos envolvendo um total de 41.516 casos de câncer de mama e 1.171.048 indivíduos, foram incluídos para meta-análise. Descobriu-se que a ingestão de folato está associada a uma redução de 18% no risco de desenvolver câncer de mama. Por fim, a ingestão alimentar relativamente alta de folato, foi inversamente associada ao risco de câncer no útero e nos ovários. Mulheres com folato no quartil mais alto, tiveram um risco menor de câncer endometrial que aquelas com níveis de folato no quartil mais baixo, com redução de risco de 48%. Mulheres no terço superior para ingestão de folato, tiveram menor risco de câncer de ovário do que aquelas no terço inferior, com redução de risco de 61%.

Vitamina B6: É encontrada com maior frequência em alimentos de origem animal, como carnes, de porco, leite e ovos. Entre os alimentos de origem vegetal, as principais fontes são, batata inglesa, aveia, banana, gérmen de trigo, abacate, levedo de cerveja, cereais, sementes e nozes. A B6 está envolvida em muitas reações bioquímicas, e pode desempenhar um papel importante na proteção da carcinogênese.

Uma análise combinada de dados derivados de 5 estudos realizados nos Estados Unidos, incluindo 2.509 casos de câncer de mama, mostrou que níveis elevados de piridoxal 5 fosfato sérico (forma ativa da vitamina B6), foram associados a redução de 20% no risco de câncer de mama, em comparação com níveis baixos entre mulheres na pós-menopausa.

Betacaroteno: É um precursor da vitamina A encontrado em cenouras, manga, milho, lentilhas, folhas verdes escuras, amaranto e espinafre.

Uma análise conjunta de oito estudos de coorte, compreendendo mais de 80% dos dados prospectivos publicados no mundo sobre carotenoides plasmáticos e câncer de mama, incluindo 3.055 casos e 3.956 controles, revelou que altos níveis séricos de betacaroteno estão associados a 17% de redução no risco de câncer de mama.

Além disso, uma meta-análise de 10 estudos (8 coortes, 1 ensaio clínico e 1 estudo agrupado) com 19.450 casos de câncer de mama, mostrou que a ingestão dietética de β-caroteno está significativamente associada à melhora da sobrevida ao câncer de mama, com 30% redução nas chances de morrer da doença.

Em uma grande análise prospectiva com 20 anos de acompanhamento, as mulheres com alto teor de carotenoides plasmáticos apresentavam risco reduzido de câncer de mama, particularmente para doença mais agressiva e fatal.

Curcumina: A cúrcuma é uma especiaria amarela com um sabor específico, usada na culinária asiática. A curcumina é um composto poli fenólico metabólito secundário isolado da cúrcuma. O efeito quimio preventivo da curcumina em relação à tumorgênese mamária foi observado nas fases de iniciação e pós-iniciação, e foi descoberto que inibe significativamente o início do adenocarcinoma mamário. O uso da curcumina como agente terapêutico e preventivo no câncer de mama é apoiado por extensas evidências derivadas de estudos laboratoriais e com animais, demonstrando uma atividade biológica diversa contra células de câncer de mama e tumores, muitos dos quais permanecem inexplicável. A administração concomitante de piperina aumenta significativamente a extensão da absorção, concentração sérica e biodisponibilidade da curcumina em humanos em até 20 vezes.

Piperina: (Alcaloide encontrado na pimenta preta) também demonstrou exercer propriedades anticâncer de mama, principalmente por inibir a proliferação e promover a apoptose. Dados experimentais demonstraram que, a piperina pode inibir células de câncer de mama dependentes de hormônio, e suprimir fortemente a expressão mediada pelo fator de crescimento epidérmico em células de câncer de mama, que é ativada em até um terço dos pacientes, levando a uma inibição da migração das células do câncer de mama. Ao estudar o efeito anticâncer de fitoquímicos bioativos, combinados com terapias convencionais de câncer, descobriu-se que a piperina potencializa a citotoxicidade de drogas anticâncer, e até mesmo reverte a resistência a múltiplas drogas que prejudica a eficácia da quimioterapia.

Frutas cítricas: (Laranjas, limões, limas e tangerinas), são boas fontes de vitamina C. Além disso, as frutas são abundantes em outros nutrientes, incluindo fibra alimentar, potássio, folato, cálcio, tiamina, niacina, vitamina B6, fósforo, magnésio, cobre, riboflavina e ácido pantotênico. Estas frutas estão repletas de compostos que podem diminuir o fator de risco contra o câncer de mama, incluindo folato, vitamina C e carotenoides como beta criptoxantina e beta caroteno, além de antioxidantes flavonoides como quercetina, hesperidina e naringenina. Esses nutrientes fornecem efeitos antioxidantes, anticâncer e anti-inflamatórios.

Uma revisão sistemática quantitativa de 2013, sobre a Ingestão de frutas cítricas e risco de câncer de mama, com 6 estudos e 393 participantes, mostrou associação inversa entre a ingestão de frutas cítricas e o risco de câncer de mama.

Vegetais crucíferos: Brócolis, couve-flor, espinafre, couve manteiga, rúcula, couve-de-bruxelas, repolho, agrião, folha de mostarda, nabo e rabanete, podem ajudar a diminuir o risco de câncer de mama. Estes contêm compostos de chamados glicosinolatos, que o corpo pode converter em moléculas de isotiocianatos. Este possui múltiplos alvos moleculares, propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes e anticâncer.

No estudo de abril de 2020, sobre a ingestão de vegetais crucíferos e seu conteúdo de glicosinolatos e isotiocianatos e risco de câncer de mama, um estudo de caso-controle na China com 1493 mulheres, mostrou que, ingestões mais altas de vegetais crucíferos, foram inversamente associadas ao risco de câncer de mama.

Indol-3-carbinol é outro fitoquímico produzido pela quebra dos glicosinolatos, que também são encontrados em vegetais crucíferos. O indol-3-carbinol demonstrou ser um potente agente quimio-preventivo para câncer de mama.

Uma meta-análise de treze estudos epidemiológicos (11 estudos de caso-controle e 2 estudos de coorte) indicou que, o alto consumo de vegetais crucíferos foi significativamente associado a uma redução de 15% no risco de câncer de mama.

Um estudo mais recente envolvendo 2991 mulheres, sendo 1.485 casos com câncer e 1.506 no grupo controle, a ingestão de vegetais crucíferos reduziu significativamente o risco da doença em quase 50% na população chinesa. O benefício da quimio prevenção da dieta crucífera, é amplamente atribuído ao sulforafano e ao Indol-3-carbinol.
Alimentos que devem ser evitados.

+ O seu calendário completo de corridas está aqui!

– Embora certos alimentos possam proteger contra o câncer de mama, outros aumentam o risco. Evite-os:

Álcool: O uso de álcool, especialmente o consumo excessivo de álcool, pode aumentar significativamente o risco de câncer de mama.

Frituras: Uma alimentação rica em alimentos fritos pode aumentar significativamente o risco de câncer de mama. Em um estudo com 620 mulheres iranianas, a ingestão de alimentos fritos foi o maior fator de risco para o câncer de mama.

Carnes processadas: Carnes processadas como bacon e salsicha, podem aumentar o risco de câncer de mama. Uma análise de 15 estudos relacionou a alta ingestão de carne processada a um risco 9% maior de desenvolver a doença.

Açúcar simples: Uma dieta rica em açúcar refinado pode aumentar significativamente o risco de câncer de mama, aumentando a inflamação e a expressão de certas enzimas relacionadas ao crescimento e disseminação do câncer.

Carboidratos refinados: Dietas ricas em carboidratos refinados, podem aumentar o risco de câncer de mama. Tente substituir carboidratos refinados como pão branco e assados ​​açucarados por produtos integrais e vegetais ricos em nutrientes.

Cuidar da sua alimentação é cuidar da sua saúde!

Leia também:

– Alimentação pré e pós treino: o que consumir?
– O que acontece com seu corpo quando você fica sem treinar por muito tempo? 

– Conheça os principais benefícios da caminhada para a saúde
– Exercícios para manter o core fortalecido
– 6 dicas para começar adotar hábitos saudáveis 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts