Anti-inflamatórios cutâneos, como sprays e pomadas, realmente funcionam?

Como promessa de alívio imediato da dor, os anti-inflamatórios cutâneos chamam a atenção de quem não vê a hora de se livrar do desconforto que as lesões causam. Os produtos, que muitas vezes contam com mentol e cânfora na formulação, trazem uma sensação de conforto no local, mas será que realmente funcionam?

O fisioterapeuta Claudio Cotter deixa claro que da mesma forma que o anti-inflamatório oral é um paliativo no tratamento de inflamações do Sistema Músculo-esquelético, com os tópicos não poderia ser diferente. “Em processos agudos podem ajudar a controlar dores, mas na realidade é um coadjuvante no tratamento, que tem como principal objetivo entender a causa primária da dor”, explica.

Anti-inflamatórios cutâneos, como sprays e pomadas, realmente funcionam?
Foto: Adobe Stock

+ Participe de uma corrida virtual, escolha sua prova!

“Em uma revisão bibliográfica, são citados vários estudos demonstrando que os anti-inflamatórios tópicos mostraram melhores resultados no controle da dor e até na dimensão de rigidez articular, em comparação com tratamento com o tópico placebo. Em outros estudos não foram demonstradas diferenças estatísticas, entre os resultados dos medicamentos tópicos com aplicação de placebo”, conta Cotter.

Diferença entre os produtos

De acordo com Claudio, a única diferença entre a embalagem dos anti-inflamatórios é a praticidade e o preço. “Os sprays normalmente são utilizados por atletas, que não tem como lavar a mão em seguida. Os cremes, mais baratos, podem ser aplicados em casa mesmo”.

O medicamento encontrado nos emplastros é o mesmo, mas a ação costuma ser um pouco diferente. “Esses produtos concentram a ação das substâncias no mesmo local por mais tempo, mas não fazem diferença no músculo. A única coisa é que o atleta terá a sensação de conforto na pele por mais tempo”, explica Cotter.

+ Escolha uma prova e monte seu calendário de corrida de 2021!

Solução

Não importa a atividade física, o mais indicado quando a dor aperta é parar e colocar gelo no local. “Quando você faz uma compressa de gelo está diminuindo o edema e impedindo que uma lesão pequena se torne grande. Quanto mais inchar, mais difícil será a cicatrização do tecido muscular”, discorre o fisioterapeuta.

Se você continuar praticando a atividade também pode aumentar a gravidade da lesão. “É necessário parar e fazer uma compressa de gelo por 20 ou 30 minutos, para não danificar ainda mais o músculo”, conta Claudio.

O profissional também dá uma dica aos esportistas que não querem abandonar as competições: “sprays de gelo podem ajudar momentaneamente, sem necessidade de pausa”, mas completa: “deve-se tomar muito cuidado para aplicá-los pois, de tão gelado, podem queimar a pele. Além disso, o efeito não será o mesmo da compressa de gelo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts