Após dois anos de frustração, Franck Caldeira vence Meia das Cataratas

A temperatura na hora da largada era de oito graus (foto: Mariana Araujo/www.webrun.com.br)
A temperatura na hora da largada era de oito graus (foto: Mariana Araujo/www.webrun.com.br)

A Meia Maratona das Cataratas, que aconteceu neste domingo, dia três de julho, em Foz do Iguaçu (PR), foi marcada pela quebra de recordes e a baixa temperatura de oito graus. No masculino, Franck Caldeira foi o campeão com o novo recorde de 1h03min05. Já no feminino, a queniana Dorcas Kiptarus foi bicampeã e também bateu o recorde do percurso com 1h13min31.

Direto de Foz do Iguaçu – A Meia das Cataratas foi muito disputada e teve um alto nível técnico em sua quinta edição. Prova disso foi a quebra de recordes, já que os seis primeiros colocados do masculino bateram o antigo recorde de João Ferreira de Lima, de 1h03min37, conquistado em 2009.

A disputa pelo pódio na elite masculina não foi decidida até os últimos metros da prova. Damião Ancelmo de Souza, Giovani dos Santos e Gilberto Silvestre Lopes, da equipe Pé de Vento, Giomar Pereira da Silva, João Ferreira de Lima, Paulo Roberto de Almeida e Luis Fernando de Almeida, da equipe do Cruzeiro, e Franck Caldeira alternaram a liderança até o quilômetro 15.

Daí para frente, Luis Fernando de Almeida e João Ferreira, ficaram para trás e os outros seis atletas seguiram juntos. Nos últimos 400 metros, Franck Caldeira aumentou o ritmo e venceu a competição. “Procurei correr de maneira inteligente e achei que fosse difícil vencer, pois tinha fortes concorrentes. Eu já havia arriscado nos últimos dois anos sair do pelotão faltando um quilômetro e deu errado. Esse ano preferi arriscar e forçar mais no final para garantir o prêmio”, conta o campeão, que nos últimos dois anos ficou com o vice após perder o título no último quilômetro.

Depois de dois anos com muita frustração, Franck Caldeira afirmou estar feliz pela conquista do título e do novo recorde da prova (1h03min05). Além disso, diz que esta é uma nova fase depois da sua saída da equipe do Cruzeiro. “O atleta precisa traçar metas e eu não estava conseguindo fazer isto no clube. Eles fazem um trabalho incrível, mas não me enquadrei. Quero ter meu estilo e correr livre. Uma conta cheia de dinheiro não vai me trazer alegria, eu vivi isso no Cruzeiro e não me trouxe”, explica Franck, que ainda não sabe para qual clube irá.

O segundo colocado, Paulo Roberto de Almeida, sentiu dificuldades por conta da baixa temperatura e terminou a competição com a marca de 1h03min06. “A prova foi tranquila. Subida para mim não é a maior dificuldade, porque treino muito essa parte. O problema foi o frio, porque sou um atleta que corre melhor no calor. Estou feliz com a colocação até porque meu objetivo é a Meia Maratona do Rio”, explica o vice.

Já o terceiro colocado, Damião Ancelmo, que foi campeão da prova ano passado, considera positivo ter conquistado um lugar no pódio. “Essa prova é de alto nível e tem atletas que vem se destacando muito, então sabia que ia ser difícil. Foz do Iguaçu é uma corrida que a gente nunca está preparado, pois o clima é muito imprevisível, mas fiz o meu melhor”, diz Damião, que finalizou a prova com tempo de 1h03min10.

Giomar Pereira e Giovani dos Santos terminaram a corrida em 1h03min11 e 1h03min19, ficando em quarto e quinto lugar, respectivamente.

Feminino – Entre as mulheres, perto do quinto quilômetro, Marily dos Santos, Sirlene de Souza Pinto e a queniana Dorcas Kiptarus, já se destacavam do resto do grupo.

A queniana conseguiu abrir uma grande vantagem e no quilômetro 13 já estava a 50 segundos de diferença para a segunda colocada. “Está muito frio. Estou muito feliz com o resultado e com o recorde que conquistei. No início não sabia que ia vencer, mas depois de certo tempo estava me sentindo bem e achei que era possível”, fala a bicampeã da prova e atual recordista do percurso com 1h13min31. O antigo recorde era da também queniana Anne Cheptanui Berewe, de 1h14min04, conquistado em 2009.

A brasileira Marily dos Santos foi mais rápida nas descidas e abriu vantagem de Sirlene de Souza e conquistou a segunda colocação, com 1h17. “Não quis sair na frente porque estou vindo da Maratona de São Paulo, que foi dia 19 de junho, e tive que tomar cuidado para não me machucar. Estou muito satisfeita com o resultado, até porque eu tenho 1h14 em meia maratona e a queniana tem 1h11, então era obrigação dela vencer”, analisa a primeira brasileira na prova.

Já a terceira posição ficou com Sirlene de Souza, com 1h17min33, “Tentamos acompanhar a queniana, mas ela começou a ditar o ritmo no quilômetro cinco e as brasileiras não conseguiram acompanhar. Como estou treinando para maratona, usei essa prova como treino. Estou contente, porque esta prova é muito forte e você precisa controlar o ritmo para não quebrar no final”, afirma Sirlene.

A terceira colocada também apontou o frio como uma grande barreira. “É muito difícil correr no frio, porque você acaba não aquecendo. Corri os 21 quilômetros com rosto gelado, as mãos duras e não consegui aquecer até agora”, comenta.

Conceição de Oliveira e Ilda Alves dos Santos foram a quarta e quinta colocadas, com tempo de 1h17min57 e 1h18min25, respectivamente.

Este texto foi escrito por: Mariana Araujo

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts