Como reservamos ou queimamos gordura

Muito você já deve ter lido e ouvido falar sobre porque, quando e como perdemos ou ganhamos peso. Mas é mesmo muito abstrata toda essa informação? Dá mesmo para entender? São regras? Existem exceções?

Por linhas gerais você pode encarar a dinâmica de ganho e peso de um organismo de uma maneira puramente matemática. Em um determinado dia você consome X calorias na forma de alimentos e gasta Y na forma de energia. Detalhes: esta energia gasta não vem somente da atividade física!! Assim como toda a energia consumida vem dos alimentos ingeridos.

Se ao final do dia você consumiu mais do que gastou, você terá um balanço energético positivo. Esse balanço positivo resulta em acúmulo de energia em sua forma tão temida pela maioria, a gordura. Do contrário, no balanço negativo, o gasto maior do que o consumo acarreta perda de reservas.

Porém, não é sempre assim que acontece. Vejamos o porquê:

Você já deve ter ouvido a recomendação de parcelar as refeições em grande número (5 ou mais). Isso faz muito sentido porque parcelando desta maneira você teoricamente evita grandes variações na concentração de insulina no sangue. O que você leitor precisa saber é que a insulina é um dos principais hormônios que regulam a síntese de gordura. E é na presença de grandes taxas de insulina que o seu organismo vai sintetizar gordura, pois esta alta concentração é um sinal de que foi feita grande ingestão de carboidrato.

Mas a gordura por sua vez é metabolizada (quebrada) quando há baixas concentrações de insulina. Porém deve haver uma quantidade mínima de carboidrato no sangue para isso ocorrer. Estranho? Pode ser, mas o fato é que as reações de queima de gordura envolvem carboidrato!

Complicado? Um pouco.

Então qual a vantagem de fazermos várias refeições? Fazendo isso você evita em parte que seu corpo passe por períodos de síntese (armazenamento) de gordura após as grandes refeições e também evita que seu corpo comece a utilizar de substratos que não sejam a gordura para produzir energia nos momentos de jejum. Como a necessidade de energia não se altera com a freqüência de suas refeições, o organismo busca durante o jejum queimar massa muscular para ter o substrato necessário para a queima da gordura. E nós sabemos que isso é bem ruim…

Um indivíduo que parcele bem suas refeições não acumula gordura após as refeições e ainda permite que seu corpo continue queimando gordura ao longo do dia por ter glicose (carboidrato) sempre presente em sua corrente sanguínea.

O que você está esperando para seguir um conselho tão antigo como o de comer várias vezes ao dia em porções menores???

Este texto foi escrito por: Prof° Danilo Balu

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts