Corrida estacionária: tire suas dúvidas sobre “correr sem sair do lugar”

Já ouviu falar em corrida estacionária? A prática se tornou mais conhecida durante este período de pandemia, já que em muitas cidades brasileiras a orientação foi para que se evitasse atividades físicas nas ruas. E, como quase ninguém tem tanto espaço assim para continuar com os treinos de corrida convencionais dentro de casa, muita gente acabou aderindo a modalidade sem sair do lugar. Apesar de não trazer a mesma sensação de liberdade que a corrida de rua,  o exercício é uma opção para quem preza pelo condicionamento físico e quer continuar queimando calorias.

Corrida estacionária: tire suas dúvidas sobre "correr sem sair do lugar"
Foto: Adobe Stock
Como funciona?

A corrida estacionária simula uma corrida, o movimento é parecido, só que com menos amplitude, você finge que vai correr, mas permanece onde está. O exercício já é bastante comum em aquecimentos de atletas profissionais, só que por poucos minutos, apenas para dar “aquela acordada no corpo”. Mas e quando feito por muito tempo?

Nós conversamos com a nossa colunista, ortopedista da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, Dra. Ana Paula Simões para entender melhor os benefícios da prática e seus riscos, principalmente, quando o assunto são as possíveis lesões ortopédicas. Confira a entrevista:

– A corrida estacionária traz os mesmos efeitos ao corpo que a corrida tradicional? 

Toda prática que aumenta a frequência cardíaca acima de 30%  pode ser considerada uma atividade física aeróbica, então do ponto de vista cardiorrespiratório sim, a estacionária consegue manter os batimentos cardíacos acelerados como a corrida convencional e, por isso, traz os mesmo benefícios se você conseguir seguir um ritmo e aumentar os batimentos cardíacos. Do ponto de vista neuromuscular, foi feito um estudo que aponta que a corrida no lugar também pode contribuir na propriocepção que é o equilíbrio e consciência corporal. Então para quem busca benefícios assim é um exercício interessante. 

Já quando o assunto é o movimento em si,  a corrida estacionária não estimula a amplitude do movimento de corrida e não permite que o praticante atinja tanta velocidade, dá para fazer uma troca rápida, você pode acelerar, fazer essa troca que chamamos de cadência, mas não há um aumento de velocidade real, então o movimento não é o mesmo.

+ Já fez uma corrida virtual? Hora de escolher seu próximo desafio!

– É preciso ter algum cuidado para praticar a corrida estacionária? 

Não há nenhum estudo específico falando sobre o impacto da corrida estacionária para as articulações, mas ainda assim é preciso usar tênis apropriado para corrida, principalmente, porque ao correr o peso sobre as articulações aumenta de 3 a 5 vezes. Então é importante usar tênis para absorver esse impacto e ajudar na impulsão durante a corrida no lugar. Não é recomendado fazer longas corridas estacionárias, de alta quilometragem,  descalço; as articulações não estão preparadas para receber esse impacto.

Sobre a possibilidade de lesões, nos espaços físicos menores o praticante não tem uma mobilidade adequada das articulações, então acaba fazendo uma sobrecarga em determinados pontos, já que a amplitude do movimento não é a mesma de uma corrida normal. Outro ponto de atenção para quem corre em casa é se a pessoa resolve correr em círculos em ambiente pequeno e sempre na mesma direção, essa prática não é a ideal, porque você acaba jogando o peso para uma região só do corpo, algo que pode aumentar muito o risco de lesões.

– Existe um jeito certo para fazer a corrida estacionária? 

O mais recomendável para quem quer se exercitar agora e tem condições para isso, é que se faça bicicleta, pule corda, estes exercícios aeróbicos que variem um pouco a frequência cardíaca e não sobrecarregue tanto o corpo, como a corrida estacionária. O que eu oriento é que se você está com medo de sair, ou é do grupo de risco e quer fazer um aeróbico dentro de casa, é importante variar um pouco os estímulos e não fazer apenas a corrida estacionária  por muito tempo, é preciso intercalar a prática com algum outro exercício aeróbico, como pular corda. 

Para quem não é adepto à corrida estacionária, o risco de correr na rua agora em horários alternativos e sem aglomeração é muito baixo para a saúde fazendo o uso de máscara. Então em cidades que não estão em lockdown é preferível que o treino de corrida seja feito ao ar livre por 30 minutos diários ou um pouquinho mais tomando os devidos cuidados.

Você já tentou correr sem sair do lugar? Conte nos comentários sua experiência com a corrida estacionária.

+ Praticar exercícios com máscara será a realidade pós isolamento social?
+ Como pular corda pode trazer benefícios à sua corrida? 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carolina Abrantes

Carolina Abrantes

Estudante de jornalismo, já metida a repórter. Encantada pelo mundo dos esportes e pela forma como eles podem mudar a vida das pessoas.

Ver todos os posts