Elite feminina da São Silvestre promete briga acirrada

Elite estrangeira feminina da São Silvestre: etíopes  quenianas e marroquinas (foto: Paulo Gomes/ www.webrun.com.br)
Elite estrangeira feminina da São Silvestre: etíopes quenianas e marroquinas (foto: Paulo Gomes/ www.webrun.com.br)

A 87ª Corrida de São Silvestre apresenta um pelotão de elite feminina de peso para a disputa da prova no sábado (31/12). O currículo das corredoras nacionais é de respeito, mas as estrangeiras contam com africanas velozes e uma atleta já classificada para os Jogos Olímpicos de Londres 2012.

Entre as brasileiras, está a atual recordista pan-americana Adriana da Silva; a veterana vencedora da prova em 2001, Maria Zeferina Baldaia; Cruz Nonata, medalhista de prata nos 5.000m e 10.000m do Pan; Marily dos Santos, única brasileira a disputar a Maratona nos Jogos Olímpicos de Pequim; Sueli Pereira, brasileira mais rápida em solo nacional em 2011; Lucélia Peres, última atleta do País a vencer a prova; e Conceição Oliveira, campeã do Ranking Caixa/CBAt de Corredores de Rua.

Marily brinca com as alterações no percurso implementadas para 2011. “Agradeço as pessoas que fizeram essa mudança. Meu nome é Marily dos Santos e a gente sabe que todo santo ajuda na descida”, diz, referindo-se aos trechos da Rua Major Natanael, no início da prova, e da parte de descida da Avenida Brigadeiro Luís Antônio no sentido do Ibirapuera.

Maria Zeferina Baldaia aposta em competição nas subidas. “Acredito que a estratégia vai ser subir forte [a Brigadeiro] para ganhar tempo, porque na descida tem que ter cuidado”. Marily é mais incisiva. “Quem quer prova tranquila faz a SP Classic ou corre em pista [de atletismo]. Eu acho muito bom esse sobe e desce”.

Adriana, Baldaia, Marily, Sueli e Cruz confirmam a intenção de obter o índice olímpico em 2012. “Vou tentar na Maratona de Londres (22/4). Se não conseguir, vou buscar a vaga nos 5.000m e nos 10.000m”, afirma Cruz Nonata.

Estrangeiras– Entre as competidoras de outros países há um vasto número de quenianas e etíopes. Quem foge à regra é a marroquina naturalizada italiana Nadia Ejjafini, já classificada para a Maratona dos Jogos Olímpicos e a também marroquina Samira Raif, atual campeã e recordista da Maratona de São Paulo.

Do Quênia vem Bornes Kitur, Eunice Kirwa, Priscah Jeptoo e Nancy Jepkosgei Kiprop. Entre as representante etíopes estão Bekele Tariku, Wude Ayalew e Yeshi Esayias. A favorita entre elas talvez seja Priscah, atual vencedora da Maratona de Paris e vice-campeã mundial na Maratona.

“Vai ser bom para mensurar como está meu desempenho contra atletas fortes”, define a africana, que também está em fase de treinamento para a Maratona de Londres, onde buscará o índice olímpico. A largada da elite feminina será dada às 17h10, em frente ao MASP, na Avenida Paulista.

Este texto foi escrito por: Paulo Gomes

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts