Treinamento em esteira curva pode trazer benefícios para o corredor

No final do mês passado comecei a realizar alguns treinos em uma esteira que possui o piso em curva, a curiosidade me instigou a testar e ver as principais diferenças do equipamento. De acordo com o fabricante ela foi projetada para trazer mais benefícios para a corrida, aprimorando a eficiência mecânica e deixando os músculos posteriores da perna e glúteos fortalecidos. Porém, existem outras características que acho importante citar.

No primeiro momento você percebe que a vantagem real é a possibilidade de melhora na propulsão, já que ela não é elétrica, mas sim mecânica. Desta forma, a inclinação da parte dianteira da esteira tende a facilitar a corrida pela ação da gravidade, pois o pé que a toca desce para o centro da lona.

Em uma esteira normal, por exemplo, o deslocamento do corpo se dá mais para cima do que para frente, já que é o motor que impulsiona a lona e fornece a velocidade programada no aparelho. Com isso, basta correr com deslocamentos para cima para que a lona continue se movimentando. Na esteira em curva a velocidade é mantida se a força realizada na propulsão ocorrer com mais vigor. Caso contrário, você não conseguirá manter o ritmo e isso é o mesmo que acontece na rua.

A esteira curva é bem diferente da comum Foto: Divulgação
A esteira curva é bem diferente da comum Foto: Divulgação

Outro detalhe importante está relacionado com a postura na corrida. Durante todo tempo é preciso ficar atento a flexão do pé na aterrissagem, na posição do tronco e da cabeça, um pouco a frente, a elevação do joelho e em todas as fases da corrida. Desta maneira, a consciência corporal poderá ser aprimorada com o tempo, pois a todo o momento é preciso estar concentrado nos movimentos, pois é você que faz a força de impulsão, determinando o ritmo. Se parar de correr, a esteira também para de rodar.

No manual do equipamento diz que ela gera menos impacto, o que não sei se é verdade. Por apresentar um design ergonômico em curva, isto poderia contribuir para reduzir o impacto na fase de aterrissagem, promovendo uma adequação das articulações dos membros inferiores de uma forma mais natural.

Esta correção do movimento ocorre porque o deck curvo faz com que a aterrissagem seja feita com o a parte frontal do pé e não com o calcanhar, por este motivo teríamos uma diminuição no impacto. Acho que com algum tempo de utilização é possível confirmar o que o manual diz se realmente ela pode diminuir a incidência de lesões.

Um ponto positivo e fácil de perceber é a grande variedade de treinos – força, velocidade, resistência e agilidade. Nestes modelos eles possuem um sistema de marcha pelo qual é possível aumentar a resistência. Quanto mais alta, mais força o corredor tem que fazer para conseguir correr. Eles ajudam a melhorar a técnica do movimento e a resposta neuromotora para realizar os exercícios, pois os impulsos nervosos serão mais rápido e precisos o que o torna um corredor muito mais eficiente.

Todo o corredor sabe o quanto é importante manter uma biomecânica correta para evitar lesões, ao mesmo tempo em que isso é um desafio para quem se dedica às passadas. Esta esteira faz você pisar de uma forma mais correta e como a plataforma é curva, automaticamente a pisada é feita com o ante pé, o que melhora a biomecânica, fortalecendo a musculatura de proteção do tornozelo.

Em um primeiro momento, é um pouco difícil de regular a velocidade de corrida. Após alguns minutos acaba se acostumando, pois terá que usar a parte frontal do pé para movimentar a lona da esteira. Por isso, tome cuidado ao fazer a mudança na forma de correr. Lembre-se que qualquer alteração deve ser gradativa para que o seu organismo se acostume ao novo estímulo.

Inscreva-se para a Corrida de Montanha, etapa Chapada dos Veadeiros!

A modificação abrupta da corrida pode levar a outros tipos de lesão. O melhor, neste caso, é fortalecer o seu pé para que nenhum problema apareça mais para frente e usar a esteira aos poucos.

Um ponto positivo, tanto para iniciantes quanto experientes, é o ajuste de pisada e, consequentemente, fortalecimento muscular necessário para realizar a atividade da melhor maneira possível. Panturrilha e tibial anterior são os grupos musculares fundamentais para ter mais estabilidade de tornozelo e, sobretudo, melhorar a mecânica de corrida, contribuindo para uma melhora no desempenho.

Vá com calma! Realizar treinos semanalmente pode te ajudar e muito, pois é nítido que a postura vai melhorar, tornando você muito mais atento aos movimentos e no o decorrer do tempo aumentar a propulsão ao correr, pois posso afirmar que os ganhos existem, mas eles não parecem tão rápido assim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Aulus Sellmer

Aulus Sellmer

Bacharel em Esporte pela Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (EEFEUSP) com especialização em treinamento desportivo pela USP, marketing esportivo pela UCLA Berkeley EUA e administração esportiva pela FGV-SP. Atualmente é pos graduado no curso MBA Qualidade de Vida em Gestão Corporativa pela Universidade São Camilo; pos graduando no curso Fisiologia aplicada à clínica pela UNIFESP; proprietário da assessoria esportiva 4any1, colaborador da Rádio Eldorado FM 107,3 e revista Contra Relógio.

Ver todos os posts