O dilema da mulher corredora: estou grávida e agora?

Olá, amigas leitoras da Webrun! Sou a Dra Tathi Parmigiano, ginecologista do esporte. Hoje vou escrever sobre um tema que gera muitas dúvidas: a corrida na gravidez.

Muitas mulheres postergam suas gestações por receio das limitações que serão impostas a elas. Seja no meio pessoal, profissional ou esportivo.

+ O Circuito Rio Antigo, etapa Quinta da Boa Vista está com as inscrições abertas. Clique aqui!

 É muito comum ouvirmos que exercícios não podem ser realizados no primeiro trimestre de gravidez. Entretanto, mulheres descobrem-se grávidas em meio a suas atividades esportivas habituais, durante treinamentos intensos ou até mesmo após terem realizado provas competitivas e desgastantes antes do diagnóstico ser conhecido.
Mulheres descobrem-se grávidas em meio a suas atividades esportivas habituais Foto: Drobot Dean/Fotolia
Mulheres descobrem-se grávidas em meio a suas atividades esportivas habituais Foto: Drobot Dean/Fotolia

Até que se prove o contrário, entenda-se com isso alterações como sangramento, dor ou tontura, o exercício pode e deve ser realizado na gestação, inclusive no início dela. Há recomendações expressivas para que esportes de contato e mergulho não aconteçam em nenhuma fase, assim como a busca por performance também seja abandonada.

Mas, se aquela prova já tem passagem comprada e inscrição feita, a nova gestante pode e deve ir (se autorizada a viajar no período), mas permita-se andar no percurso sem a obrigação de, necessariamente, completar a prova.

Além disso, a distância, freqüência cardíaca da corredora e”pace”, devem ser reavaliados e replanejados individualmente para que a atividade seja realizada em intensidade moderada, ou seja, sem que a mulher fique extremamente ofegante, mas se ela corria, poderá continuar. Se não, agora também não será o momento de iniciar essa prática.

O mais importante é que a gestante seja orientada em relação aos abortamentos espontâneos que, infelizmente, ocorrem especialmente no 1º trimestre. A causa entretanto, na maioria absoluta dos casos, são devido às alterações cromossômicas e não à prática esportiva.

Por este motivo, são comuns as orientações contrárias ao exercício nesse período mas deve ser esclarecido que a corredora, que tenha tido liberação médica e esteja bem acompanhada, não terá culpa se, infelizmente, isso ocorrer.

Até a próxima, meninas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tathiana Parmigiano

Tathiana Parmigiano

A Dr. Tathiana Parmigiano é ginecologista do esporte, mestre no assunto pela UNIFESP e primeira com o título no país. Atua como ginecologista do Time Brasil, no Comitê Olímpico Brasileiro, desde 2011. Foi a única responsável pelos atendimentos da especialidade para todas as delegações olímpicas na Vila durante os Jogos do Rio de Janeiro, ex atleta do Clube Pinheiros entre outros diversos feitos.

Ver todos os posts