Estrangeiros evitam falar em favoritismo na São Silvestre

Mutai; Nancy; Nicholas; Evans e James prometem dar trabalho aos brasileiros (foto: Alexandre Koda/ www.webrun.com.br)
Mutai; Nancy; Nicholas; Evans e James prometem dar trabalho aos brasileiros (foto: Alexandre Koda/ www.webrun.com.br)

Alguns representantes do Quênia que estarão nesta quarta-feira na 84ª edição da São Silvestre foram comedidos nas palavras e evitaram falar em favoritismo durante coletiva de imprensa realizada na tarde de hoje em São Paulo. Mesmo com o currículo invejável de alguns corredores africanos, eles afirmaram que a prova é uma grande surpresa e que qualquer um tem chance de vencer, seja brasileiro ou estrangeiro.

Um dos grandes destaques da edição deste ano será Evans Cheruiyot, campeão da Maratona de Chicago 2008 com o tempo de 2h06min25. “Essa será a minha primeira São Silvestre, queria muito estar aqui e fiz um treino específico para esse percurso”, relata o competidor de 26 anos. Evans diz ainda que não quis fazer um reconhecimento do trajeto. “Preferi ficar apenas com o que vi pela televisão e com os relatos de amigos e treinadores”.

Recém chegado ao Brasil, ele diz que ainda está se adaptando ao clima da metrópole, mas se mostrou plenamente aclimatado.“Fiz um treinamento de dois meses para essa prova e espero estar pronto para ela amanhã, faça chuva ou faça sol”, relata o medalhista de bronze no Mundial de Meia Maratona da Itália, em 2007.

Outro estrangeiro de peso na prova e que participará pela primeira vez é o também queniano James Kwabai, vice-campeão da Maratona de Berlim esse ano com o recorde pessoal de 2h05min36. “Comecei minha preparação para essa prova em novembro”, relata o atleta que obteve o quinto lugar na Maratona de Nova York esse ano com 2h12min25. Ele também diz que prefere não fazer um reconhecimento in-loco dos 15 quilômetros da prova, mas sabe que terá dificuldades pela frente. “Eu gosto muito das descidas, nem imagino como serão as subidas desta prova”, relata de forma irreverente.

Mais destaques – Já Nicholas Koech e Kipromo Mutai, que também devem dar trabalho para os brasileiros, já estão no Brasil a mais tempo e contam com a aclimatação a seu favor, mas nem por isso se acham favoritos ao título. Nicholas venceu a Volta da Pampulha e a 10K Rio este mês e relata que “o percurso é difícil, mas a preparação foi muito bem feita para chegar bem na prova”.

No dia 23 de novembro ele venceu a SP Classic Zumbi dos Palmares em São Paulo e na época relatou que não tinha idéia do nível dos corredores brasileiros, já que era sua primeira prova em terras tupiniquins. Agora mais experiente, ele comenta que espera passar o ano novo com mais uma vitória. “Estou há dois meses no país e me preparei muito para essa competição”.

O único do grupo que segue para sua segunda participação na São Silvestre é Kiprono Mutai, dono de um sorriso largo e um inglês mais compreensível que o de seus companheiros. “Em 2007 eu não completei devido ao calor, mas este ano treinei mais e estou confiante por um bom resultado”, comenta o atleta de 21 anos. Perguntado sobre o que ele fez de diferente desta vez, Mutai relata que ter participado da Volta da Pampulha foi de grande valia. “O calor que fez lá serviu como treino para o calor que pode fazer em São Paulo no dia 31”, finaliza o competidor que obteve o título da Meia Maratona de São Paulo esse ano e ficou com o vice na Pampulha.

Mulheres – Já entre as mulheres, duas atletas merecem destaque, Nancy Kipron, campeã da Volta da Pampulha e da 10K Rio e a etíope Yimer Wude Ayalew, especialista em provas de pista, entre elas os cinco e 10 mil metros. Nancy venceu a Volta da Pampulha esse ano e diz que já fez amizade com algumas brasileiras e as considera fortes concorrentes.
“Não é porque eu venci as brasileiras em algumas provas, que elas não podem me superar na São Silvestre, por exemplo”, relata a competidora que também faturou o título da SP Classic Zumbi dos Palmares esse ano. “Não existe favoritismo numa corrida como essa”, completa. “Estou há três meses no Brasil e me preparei muito para a São silvestre”, relata Nancy, que assim como Nicholas treina com Moacyr Marcondes, o Coquinho, no Paraná.

Também integrarão o field feminino as quenianas Jane Kiyara, vencedora este ano da etapa de Curitiba do Circuito de Corridas da Caixa; Priscah Jeptoo, terceira colocada na Volta da Pampulha, Ednah Mukhwana, vice da Meia Maratona de São Paulo e Emily Chepkomi, vice na Meia do Rio este ano. A largada da elite A feminina será às 16h45, sete minutos antes da largada dos homens.

Este texto foi escrito por: Alexandre Koda

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts