• Doping - Wilson Kipsang, ex-recordista mundial nos 42K, é suspenso por doping

Wilson Kipsang, ex-recordista mundial nos 42K, é suspenso por doping

Na última sexta-feira (10), a Unidade de Integridade de Atletismo (AIU) anunciou que o maratonista queniano Wilson Kipsang, de 37 anos, ex-recordista mundial da maratona, havia sido suspenso provisoriamente por duas violações antidopagem separadas, falhas e adulterações.

Embora, recentemente o esporte tenha acompanhado várias maratonistas quenianas de alto perfil caírem – incluindo a tricampeã de Boston, Rita Jeptoo e a campeã olímpica de 2016, Jemima Sumgong – Kipsang é o maior maratonista masculino a ser suspenso. Wilson correu a Maratona de Berlim 2013 em 2h03min23s para quebrar o recorde mundial, uma de suas cinco maiores vitórias na Maratona (ele também ganhou duas vezes Nova York, Tóquio e Londres), além de ter conquistado a medalha olímpica de bronze em 2012.

Ex-recordista mundial nos 42K, Wilson Kipsang, é suspenso por doping - Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

Kipsang, que sofreu um acidente de carro e teve ferimentos leves no Quênia no mês passado, também é o único homem a derrotar Eliud Kipchoge em uma maratona (Berlim 2013).

+ Encontre aqui o seu próximo desafio na corrida de rua!

Wilson, que teve em sua corrida mais recente um tempo de 2h09min18s na 12ª colocação na Maratona de Londres em abril de 2019, foi o maratonista de maior sucesso dos anos 2010, além de Kipchoge, um dos maiores de todos os tempos.

A AIU não divulgou mais detalhes sobre o caso, além das acusações de falhas e adulterações do paradeiro. Se mantida, Kipsang enfrentará uma suspensão de quatro anos.

A entidade continua mostrando que está disposta a buscar os maiores nomes do esporte. As campeãs olímpicas Sumgong, Ruth Jebet e Asbel Kiprop foram suspensas nos últimos anos, assim como o ex-recordista mundial dos 21K, Abraham Kiptum. Tais medidas mostram que o Quênia continua tendo um sério problema com doping.

Como no caso do queniano, quando um atleta é banido por falhas no paradeiro, pode haver esperança de que ele não tenha realmente se dopado. Casos como o de Brianna Rollins – que foi banida por falhas no paradeiro em 2017 – ou Christian Coleman (que não foi banido, mas registrou várias falhas no paradeiro), os atletas podem apresentar sua defesa, e cabe a entidade acreditar, ou não.

Wilson terá a chance de recorrer também – sua suspensão é provisória por enquanto – mas, é adicionada uma taxa de adulteração, fica mais difícil acreditar no que ele tem a dizer.

A agência de Kipsang, Volare Sports, divulgou a seguinte declaração na sexta-feira (10):

“Como gerente do Sr. Wilson Kipsang, recebemos o Aviso de Carga referente a uma suposta violação da Regra Antidopagem por Wilson. Trata-se de alegadas falhas no paradeiro (artigo 2.4) e alegada violação ou tentativa de violação (artigo 2.5). Neste ponto, é apenas uma acusação.

Enfatizamos que não há caso de uso de doping. Nenhuma substância proibida foi encontrada. A acusação sobre a suposta tentativa de adulteração (artigo 2.5) diz respeito a uma explicação que foi dada no processo de gerenciamento de resultados referente a uma possível falha do paradeiro e não diz respeito à adulteração de um teste de doping.

Na pendência do caso e de nossa própria investigação, não comunicaremos mais nada sobre ele.”

Ex-recordista mundial nos 42K, Wilson Kipsang, é suspenso por doping - Foto: Reprodução/Instagram

Foto: Reprodução/Instagram

O histórico de Wilson Kipsang

O atleta foi considerado dopado em um teste de doping fora da competição em novembro de 2014 – no mesmo mês em que venceu a Maratona de Nova York – quando disse que estava na África do Sul para participar de uma conferência global de atletismo. Na época, ele criticou o ‘Athletics Kenya’ por anunciar publicamente o teste perdido (na época, três testes perdidos em um período de 18 meses provocaram uma suspensão; o teste perdido foi o primeiro de Wilson).

Em 2015, após a suspensão de Rita Jeptoo, Kipsang mudou a culpa pelos problemas de doping do Quênia para longe dos atletas, e disse acreditar que mais de 99% dos quenianos estavam limpos. Ele pediu ao ‘Athletics Kenya’ para educar melhor os atletas sobre o assunto.

“Temos pessoas aproveitando a ignorância de alguns caras, principalmente, para matar o esporte”, disse Kipsang ao jornal britânico ‘The Guardian’. “Há muitos problemas em andamento, que as pessoas não entendem. Muitos dos atletas não sabem o que é EPO. As pessoas têm um plano para destruir a carreira do atleta por causa das diferenças entre os atletas, ou entre o atleta e a federação. Um gerente pode levar um atleta a um médico e ele recebe algo e, quando chega a ser testado, ele é acusado como positivo”.

“Não é bom para um país como o Quênia ou para o atletismo, mas o número de atletas quenianos que se doparam é inferior a 1%”, disse ele. “Muitos fizeram testes e são muito limpos. Eles devem ser confiáveis”.

+ Inscreva-se para a Maratona Internacional de Floripa 2020 aqui!

Kipsang também atuou como presidente da Associação de Atletas Profissionais do Quênia, um sindicato que ele fundou em 2014 para representar os interesses dos atletas contra o ‘Athletics Kenya’.

Comentários

Tags:, , , , , , ,
Leonardo Boscolo
Sou um apaixonado por esportes e aspirante a corredor. Um jornalista que vê na corrida um mundo de objetivos a serem alcançados, realizações pessoais e a oportunidade de se tornar cada dia uma pessoa melhor.
Publicidade

Calculadoras Webrun

Publicidade