Fratura, luxação, contusão e torção: descubra a diferença entre cada uma

Fratura, luxação, contusão e torção são lesões comuns em diferentes esportes, e podem parecer entre si, mas existem muitas diferenças entre elas. Sendo assim, muitas vezes pode ser difícil determinar se um osso está quebrado ou se você sofreu uma contusão. Ossos quebrados, luxações e entorses/estiramentos podem ter sintomas semelhantes, tais como dor, inchaço e incapacidade de funcionar como você normalmente faria com a parte não afetada do corpo. Porém, estas são lesões completamente diferentes que requerem cuidados urgentes e atenção específica.

Fratura, luxação, contusão e torção: descubra a diferença

Fratura, luxação, contusão e torção: descubra a diferença entre cada uma
Foto: Adobe Stock
Fratura: quando um osso está quebrado ou partido

Quer seja chamado de quebra ou fratura, ocorre quando há uma perda da continuidade óssea. No entanto, não é assim tão simples. Ao mesmo tempo que os ossos permitem alguma flexibilidade, eles ainda são rígidos. Quando dobrado ou afetado além da sua capacidade elástica, o osso vai quebrar. Existem diferentes tipos de fratura e a gravidade geralmente depende do tipo de impacto que o osso suportou.

+ Veja como se inscrever para uma corrida virtual!

Diferentes tipos de fraturas incluem:

  • Estável: um osso que está quebrado e as pontas quebradas ainda estão alinhadas. Fratura instável é o oposto.
  • Aberta, fratura exposta: quando o osso quebrado perfura a pele e pode ou não ser visível na ferida. Fratura fechada não tem contato com o meio externo.
  • Incompleta: um osso quebrado que não terminou de romper a cortical oposta. Fratura completa é quando o traço vai de uma cortical para a outra.
  • Por estresse: um osso que sofreu microtraumas de repetição e rompeu parte de seu trabeculado.
  • Cominuta: um osso quebrado que se quebrou em três ou mais partes ao longo da fratura.

Seus ossos existem para dar estrutura corporal – eles te mantêm ereto, ajudam você a se deslocar e à proteger seus órgãos. Não é de admirar que eles sejam incrivelmente fortes. Estima-se um fêmur médio pode levar cerca de 900kg de força. Embora essas sejam estimativas sólidas, a quantidade de força que seus ossos podem suportar antes de quebrar depende de vários fatores, tais como:

O tipo e gravidade do trauma que sofreu (energia e altura)

Se você tem uma condição pré-existente que enfraquece os ossos, como osteoporose ou uso excessivo, muitas vezes levando a fraturas por sobrecarga. Quando você quebra um osso por qualquer motivo, pode experimentar sintomas como inchaço, hematomas ou deformidades. Para uma fratura ser diagnosticada é necessário fazer raio-X. Fraturas mais graves ou difíceis de ver na radiografia podem exigir exames complementares.

O tratamento para um osso quebrado varia de acordo com a gravidade e a localização do corpo. Muitas quebras ou fraturas requerem uma imobilização – seja em gesso, ortese ou fibra de vidro – que irá segurar as peças quebradas e permitir que os novos ossos “consolidem” as extremidades separadas.

Em casos graves, os ossos quebrados precisarão ser consertados através do uso de placas de metal e parafusos aplicados internamente ou externamente. Pode levar de várias semanas a meses para os ossos cicatrizarem. Para ajudar a evitá-los, é uma boa ideia melhorar sua dieta e aumentar seu exercício. Ao construir músculos, você está aumentando a força dos seus ossos, ajudando assim a evitar pausas adicionais ou mais graves no futuro.

Luxação: perda da congruência articular

Enquanto as quebras podem acontecer no começo, final de um osso, em uma articulação ou em algum outro lugar, as luxações podem ocorrer apenas nas articulações. Uma luxação é uma lesão que faz com que as extremidades dos seus ossos não se posicionem dentro de uma articulação. As luxações comuns incluem tornozelos, joelhos, ombros, quadris, cotovelos, dedos e até mesmo sua mandíbula.

Não hesite quando se trata de ossos deslocados. Não é só uma luxação (como se diz por aí) geralmente elas são muito dolorosas, e também pode causar danos adicionais aos nervos ou tendões se não for reduzidas imediatamente (colocadas no lugar). Os sintomas de um osso deslocado podem incluir inchaço, hematomas e dor. Quando ocorre uma luxação, muitas vezes você poderá ver o osso “fora de lugar”.

O tratamento de deslocamento pode incluir o reposicionamento do osso na articulação, uma receita para analgésicos ou antiinflamatórios, uma tipoia, órtese ou uma tala e possível tratamento de reabilitação. Se a sua luxação for grave, pode demorar mais do que as duas ou três semanas habituais para retornar ao movimento completo. Depois de ”deslocar” um osso, no entanto, tenha cuidado, pois esse osso é mais propenso a deslocamentos no futuro. Muitos atletas que deslocam joelhos ou tornozelos podem usar suportes especiais ou faixas elásticas no futuro para evitar recidivas.

+ Seu calendário completo de corridas de rua está aqui!

O que é entorse e estiramento?

Uma fratura é um osso quebrado. Uma luxação é quando um osso se move para fora de sua articulação, e um entorse/estiramento é o alongamento de ligamentos ou tendões. Enquanto eles podem ser parecidos, são duas lesões diferentes.

Entorse envolve os ligamentos, também conhecidos como os tecidos fibrosos que conectam dois ossos juntos em suas articulações. Estiramento é o alongamento ou lesão parcial dos tendões, também conhecido como os tecidos fibrosos que conectam seus músculos aos seus ossos.

Tanto uma estiramento como uma entorse são geralmente lesões menos graves que fraturas ou luxações. Mas se for suficientemente grave, a cirurgia pode ser necessária para reparar ligamentos ou tendões extremamente danificados ou com rupturas totais.

O tratamento usual depois de ter avaliado é o P.R.I.C.E. (proteção, repouso, gelo, compressão e elevação). Com cuidado e diagnóstico adequados, o processo inflamatório deve se dissipar em algumas semanas, deixando-o bom para voltar ao esporte.

Contusão

É quando você sofre um trauma direto e não lesiona nenhuma estrutura motora, apenas partes moles que podem simular qualquer lesão acima com calor, rubor, edema e dor, mas sem gravidade. Ou seja, assim que estiver cicatrizada e a dor passar é possível retornar rapidamente às atividades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ana Paula Simões

Ana Paula Simões

Professora Instrutora e mestre em Ortopedia e Traumatologia do Esporte da Santa Casa de SP. Membro internacional e nacional da Sociedade de medicina e cirurgia da Perna, Tornozelo e Pé. Vice presidente da sociedade paulista de medicina esportiva. Comissão da prova de título da Sociedade Brasileira de medicina do esporte. Membro da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade de Traumatologia Esportiva. E também é corredora e nadadora.

Ver todos os posts