Galindez disputa pela 3ª vez o Ironman do Havaí

Galindez na área de transição no Havaí em 2003 (foto: Juliana Ikeda)
Galindez na área de transição no Havaí em 2003 (foto: Juliana Ikeda)

Ele é um dos melhores do mundo na distância olímpica e quer se firmar entre os tops do Ironman. O argentino radicado em Santos, Oscar Galindez (Memorial / Reebok/ Design Profile / Oakley / OG / LiteSpeed-Ciclovece) e que tem o apoio oficial do portal WebRun, disputa amanhã (dia 16), na Ilha de Kona, no Havaí, o Campeonato Mundial de Ironman. Essa será a 3ª vez que ele compete na disputa havaiana e as expectativas são as melhores possíveis nos 3,8 km de natação, 180 km de ciclismo e 42,2 km de corrida. “Espero o melhor. Se não pensar assim, é melhor ficar em casa”, afirma.

“Acho que a grande maioria vai para completar. Poucos vão para tentar uma boa colocação. Eu estou nessa última turma. A mente será o ponto chave nos momentos difíceis. Como o jogo é duro e a vida curta, quero desfrutar e agradecer a Deus por me colocar lá para fazer uma das provas mais exigentes do planeta”, destaca o triatleta, que desde 2002 vem priorizando provas de longa distância.

Nas duas participações no Ironman do Havaí, a mais importante e famosa prova do Mundo na modalidade e que deu origem ao triathlon, Galindez foi o melhor latino-americano. Em 2002, em sua estréia, foi o 15º colocado e ano passado terminou em 23º lugar. Já na edição brasileira, em Florianópolis, foi o vencedor ano passado, com a excelente marca de 8 horas 16 minutos e 10 segundos, e vice nesta temporada.

“Essa é uma disputa mística. Não tem comparação. O Mundo olha para você. É a prova de triathlon mais respeitada e importante do mundo. Nada se compara. É superação, glamour, felicidade de completar. Todos somos heróis, desde o primeiro até o último colocado”, comenta Galindez, que está com 33 anos de idade e compete no triathlon desde 1983, depois de acompanhar pela TV justamente o Ironman do Havaí.

Ele diz que nas duas atuações na disputa havaiana aprendeu muito. “Mas não o bastante. Mesmo depois de parar de competir profissionalmente ainda estarei aprendendo. Cada dia aprendo alguma coisa sobre alimentação, treinamento. As possibilidades são infinitas. O Ironman é grande em tudo, nas distâncias, nos treinos, na alimentação, superação, persistência, corporação”, diz o competidor.

Além de um bom preparo físico e psicológico, ele ressalta que a alimentação será um dos pontos importantes para ter um bom desempenho. “Espero estar num dia inspirado para não só músculos, tendões e mente aguentem. O estômago precisa suportar todo o esforço”, explica o competidor que mora em Santos desde 1995.

Vale lembrar que este ano, além do vice no Ironman Brasil, Galindez garantiu o bicampeonato do Meio Ironman de Pucón, no Chile (a mais tradicional da América Latina na distância) e as vitórias no Meio Ironman de Mar del Plata, na Argentina, e no Reebok/PowerBar Long Distance, em Ubatuba. Também nesta temporada, venceu de forma tranquila a 4ª etapa do Troféu Brasil de Triathlon, em Santos.

Ainda tem na carreira o hexacampeonato do Triathlon Internacional de Santos (foi vice em quatro oportunidades, inclusive este ano), o hepta no Troféu Brasil, o penta pan-americano e outro hexacampeonato, o sul-americano, além de ter conquistado duas medalhas de bronze nos Jogos Pan-americanos (1995 e 2003).

Este texto foi escrito por: Fabio Maradei

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts