Gebremariam e Kiplagat vencem Maratona de Nova York

Gebremariam e Mutain duelaram durante uma parte da prova (foto: Jeremy Seto/ Licença Creative Commons 2.0 Genérica )
Gebremariam e Mutain duelaram durante uma parte da prova (foto: Jeremy Seto/ Licença Creative Commons 2.0 Genérica )

Não foi desta vez que os dois grandes favoritos da 40ª Maratona de Nova York, o brasileiro Marílson Gomes, bicampeão em 2006 e 2008, e o etíope Haile Gebrselaisse, recordista mundial na modalidade de 42 quilômetros, venceram a gelada disputa deste domingo (7/10), na Big Apple.

Marílson chegou em sétimo lugar com a marca de 2h11min51, bem depois do etíope Gebre Gebremariam, que cruzou a linha de chegada em 2h08m14, seguido pelos quenianos Emmanuel Mutai (2h09min18) e Moses Kipkosge (2h10min39), segundo e terceiro colocados, respectivamente.

“Eu estava bem preparado e segui até o fim brigando por posição. A partir do quilômetro 30 tive dificuldades, pois o vento no rosto era tão forte que eu não podia respirar direito e isso atrapalhou “, afirma Marilson, o único sul-americano a vencer duas vezes a Maratona de Nova York. “Das vezes em que competi aqui, esta foi a prova mais fria”, acrescenta o brasiliense de 33 anos, que correu com a temperatura de quatro graus.

Já o recordista mundial Haile Gebrselassie, desistiu da prova na altura do quilômetro 25 por conta de fortes dores no joelho e, aos 37 anos, surpreendeu ao anunciar sua aposentadoria. “Eu vou me aposentar. É hora de sair e dar oportunidades para os jovens”, garante o etíope, que viu seu compatriota, Gebremariam, de 26 anos, vencer em Nova York.

Haile passou por tratamentos no joelho para disputar a maratona, mas não se sentiu bem na descida da ponte Queensboro, o que ficou muito evidente na fisionomia do atleta. No sábado, uma ressonância magnética já havia indicado tendinite no joelho do corredor. “Nunca pensei em aposentadoria. Mas pela primeira vez este é o dia”, completa Gebrselassie, que conquistou o recorde mundial em Berlim, há dois anos.

No início da prova, por volta do quilômetro dez, os atletas Hendrick Ramaala, da África do Sul, Abderrahime Bouramdane, do Marrocos, e Emmanuel Mutai, do Quênia, eram os três primeiros colocados. Mas no quilômetro 30, momento que a prova se torna mais decisiva, Mutai já foi para uma posição à frente de Bouramdane, e liderou a disputa.

Neste trecho, quem também brigava pelo prova era Gebre Gebrmariam, que ocupava o terceiro lugar. Faltando quatro quilômetros para a competição terminar, Gebrmariam, que ainda não havia participado de nenhuma maratona na carreira, surpreendeu e cruzou a linha de chegada como primeiro colocado.

Duelo feminino – Edna Kiplagat se consagrou como ganhadora da competição com o tempo de 2h28min20. Já a maratonista norte-america Shalane Flanagan chegou como segunda colocada em 2h28min40, apenas 42 segundos depois da campeã. Para completar o pódio, mais uma queniana: a corredora Mary Keitany, que finalizou a prova com o tempo de 2h29min01.

A emoção foi grande nos minutos finais da maratona feminina, pois Flanagan, medalhista de bronze na Olimpíada de Pequim, duelava a prova com as africanas e demonstrava grande esforço para tentar superá-las, já que competia em “casa” e estava com uma grande torcida.

Edna Kiplagat, aos 31 anos, além de vencer em Nova York, também foi campeã da Maratona de Los Angeles (2010). A prova deste domingo começou às 11h10 (horário de Brasília), na ponte Verrazano-Narrow, local da largada, e terminou no Central Park. O evento faz parte do Circuito das Maiores Maratonas do Mundo (World Majors Marathon – WMM) e, após passar por Londres, Boston, Chicago e Berlim, fechou a temporada de 2010 na cidade nova-iorquina.

Este texto foi escrito por: Webrun

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts