Giomar Pereira representa a equipe do Cruzeiro na São Silvestre

Giomar Pereira  39  treina 230km por semana (foto: Sérgio Shibuya/ ZDL)
Giomar Pereira 39 treina 230km por semana (foto: Sérgio Shibuya/ ZDL)

O tricampeão do Ranking Caixa CBAt, Giomar Pereira, é um dos atletas de elite mais experientes em corridas de rua do país e estará na largada da Corrida de São Silvestre no próximo dia 31, representando a equipe do Cruzeiro. Embora acredite estar mais cansado que ano passado, ele se diz mais confiante e espera ficar entre os cinco primeiros colocados nesta edição.

“A gente sempre tem vontade de vencer, mas minha tática será guardar energia para os últimos cinco quilômetros”, diz o atleta de Jacobina (BA), receoso em sofrer desgaste antes de completar o percurso. Com treinamento sob sol escaldante no sertão baiano, Giomar diz nunca ter abandado uma corrida por achar que não conquistaria o primeiro lugar. “Termino a prova nem que seja trotando”, garante.

De acordo com o fundista, os corredores ambiciosos pelo título de campeão costumam se desesperar com a impossibilidade de alcançar os competidores do pelotão principal e se esforçam ao limite nos primeiros quilômetros. “Normalmente os quenianos não se contentam com o segundo e o terceiro lugar, então sempre estão à frente, mas apenas um ou dois conseguem manter a velocidade até o fim”, analisa.

Aos 39 anos, Giomar é bastante realista e tentará concluir os primeiros dez quilômetros em 29min20. “Os cinco quilômetros restantes devo finalizar em 14min30, pois apenas com esse tipo de planejamento se faz uma prova mais consciente e menos emocional, seguindo o próprio ritmo para não quebrar”, esclarece o baiano, que realiza uma rodagem de 230 quilômetros por semana.

Rivalidade – Apesar de tanto preparo e excelente performance durante a temporada de 2011, Giomar se ressente com alguns comentários sobre seu rendimento em determinadas competições. “Estive na Pampulha e fui quarto colocado. Terminar a prova em 53min30 não é pouco, pois muitos já venceram a disputa com marca superior a essa”, comenta o corredor, após ouvir que sua velocidade não seria a mesma de tempos atrás.

Ainda segundo ele, os atletas registram marcas cada vez menores e estão mais competitivos, principalmente os brasileiros. “Na São Silvestre um atleta prefere perder para um estrangeiro, por causa da rivalidade entre as equipes. Acho que os quenianos são mais unidos”, acrescenta.

Já na opinião de Alexandre Minardi, treinador do atleta, Giomar corre em nível de igualdade mesmo com os mais jovens, pois é extremamente dedicado, o que lhe traz confiança sobre sua performance em cada prova que participa. “Corredores mais novos também disputam o Circuito Caixa, mas quem acumula o maior número de vitórias é o Giomar”, ressalta o técnico do Cruzeiro.

Este texto foi escrito por: Monique Barleben

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts