Tô grávida! Posso continuar correndo?

Os treinos vão bem, a rotina segue normalmente quando de repente, ou nem tanto assim, uma notícia chega e muda toda a rotina: você está grávida! Essa novidade mudará para sempre a vida da mulher que a recebeu, ainda mais das apaixonadas pela prática de esportes.

O treinador Nelson Evêncio conta que o primeiro passo é diminuir a intensidade dos treinos. “Tudo depende de há quanto tempo a mulher corre, qual a situação do bebê e da orientação do médico que acompanha a gravidez, mas são poucas as que realmente precisam parar de correr”.

A gerente administrativa Alexandra Panuzzi, está no início do oitavo mês de seu segundo filho e é uma dessas mamães ativas. “Quando descobri que estava grávida continuei treinando normalmente, só mudei o volume e a intensidade dos treinos. Além de correr também faço pilates duas vezes por semana e até agora não tive nenhum tipo de risco, então o médico não suspendeu as atividades”.

Grávida pode sim continuar treinando Foto: WavebreakmediaMicro/Fotolia
Grávida pode sim continuar treinando Foto: WavebreakmediaMicro/Fotolia

Esporte para grávidas

A Dra. Tathiana Parmigiano é ginecologista e explica que atualmente a gravidez dura cerca de doze meses, já que os três antes de engravidar são de extrema importância, para determinados fatores que definem o período. “Esta é a hora mais correta de acertar vacinas, suplementação e estabelecer bons hábitos que possam ser mantidos. A única coisa que impedirá uma mulher de continuar praticando exercícios seria um eventual sangramento, ou uma gestação que não está bem implantada, mas fora isso não existem contra indicações”.

Acaba acontecendo que algumas mulheres começaram a correr pouco antes da gestação, assim não se sentem tão seguras em manter-se o esporte, já para as praticantes a dificuldade mesmo é ficar parada. Lembrando que todos esses fatores são extremamente individuais e determinados pela própria mamãe.

Inscreva-se aqui para a 4ª Meia Maratona Arraso Fashion Run!

“Para uma ultramaratonista correr 10 ou 20 quilômetros grávida não quer dizer basicamente nada, já que ela está acostumada a fazer muito mais, sendo assim a distância que cada uma pode correr é relativa. O que deve estar muito claro é que em nenhum caso deve-se buscar performance ou chegar ao limite. A consciência de apenas praticar o exercício para o prazer é essencial, nada de buscar resultados neste momento, isso pode comprometer a evolução da gestação”, alerta Tathiana.

Existem algumas formas de verificar se a grávida está apta para a prática de exercícios, como o cálculo da frequência cardíaca em repouso ou o talk test, onde é observado se o corredor consegue conversar normalmente enquanto corre, se começar a ficar ofegante o exercício passa a ser considerado intenso e já não recomendado para mulheres nesta situação.

Alexandra também investe no Pilates durante a gravidez Foto: Divulgação
Alexandra também investe no Pilates durante a gravidez Foto: Arquivo Pessoal

A ginecologista pede atenção na hora de correr, já que é comum mulheres grávidas levarem tombos. “É comum elas perderem o equilíbrio, já que com a barriga o centro de gravidade muda e devido alterações hormonais, as articulações ficam mais suscetíveis a entorses, principalmente de tornozelo, uma lesão comum. Evite correr em ruas com buracos, degraus e ladeiras, a esteira pode ser a opção mais segura no momento”.

Esportes como mergulho e atividades que geram contato e possíveis quedas como lutas devem ser evitados, já que existe o risco do descolamento de placenta. “Para a corredora é melhor inserir treinos intervalados, deep running que não possui impacto, transport e bike, de preferência indoor. Nesse caso um ambiente controlado é importante”.

Exercício de fortalecimento

Tathiana indica atenção especial para o fortalecimento da musculatura conhecida como assoalho pélvico. “É uma grande série de músculos que fica em volta da uretra, vagina e ânus, sustentando os órgãos pélvicos como bexiga, útero e intestino que ficam ali apoiados”, explica.

Essa musculatura é responsável por absorver o impacto das atividades e garante continência urinária e fecal. “É comum ouvir que uma gestante deixou vazar o xixi, isso acontece por causa de uma fraqueza muscular. 40% das mulheres não têm consciência corporal disso, sendo assim existem fisioterapeutas especializadas, que podem trabalhar o local. Lembrando que o fortalecimento é importante não só para gestantes”.

Mamãe corredora

Alexandra está grávida e não parou de praticar esportes Foto: Arquivo Pessoal
Alexandra está grávida e não parou de praticar esportes Foto: Arquivo Pessoal

A mamãe grávida do início da matéria só enxerga benefícios de se manter em movimento. “Não sinto nenhum tipo de dor, ao contrário estou cada vez mais disposta. Durante minha primeira gravidez era totalmente sedentária e tinha sobrepeso, até que aos cinco meses eu travei do ciático e foi muito complicado. Hoje tenho consciência e sempre estou atenta ao meu corpo, respeitando os limites e a nova vida que estou gerando”, conta Alexandra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Christina Volpe

Christina Volpe

Comecei como corredora, depois me tornei jornalista e repórter do Webrun. Hoje sou editora e convivo diariamente com o esporte há 3 anos. Meu coração bate mais forte toda vez que um atleta conquista seu objetivo, uma corrida acontece e assisto uma competição emocionante. Sempre estou aprendendo e dando meu melhor.

Ver todos os posts