Juraci tem domingo última chance de ir aos jogos

Caso consiga a vaga  Juraci terá três participações olímpicas na bagagem (foto: Arquivo Pessoal)
Caso consiga a vaga Juraci terá três participações olímpicas na bagagem (foto: Arquivo Pessoal)

O triathleta brasileiro Juraci Moreira aposta todas as suas fichas no Mundial da modalidade neste domingo (08) em Vancouver, no Canadá, para carimbar o passaporte para as Olimpíadas de Pequim. Depois de alguns problemas, como um estiramento na panturrilha na Copa do Mundo da Austrália e uma hiportermia na Copa do Mundo da Espanha, ele se diz confiante para encarar a prova e obter um resultado positivo.

“Estou acostumado a decidir assim, na última hora, sob pressão, porém não é uma coisa que eu goste e queira. Gostaria de ter me classificado com mais tranqüilidade, sem precisar chegar nesse ponto de ter de fazer uma boa prova na última chance. Mas vamos em frente”, ressalta o medalhista de bronze no Pan do Rio de Janeiro.

Com duas tatuagens no braço, representando os Jogos de Sidney e Atenas, ele não vê a hora de tatuar o símbolo da competição chinesa, custe o que custar. “Agora não tem muito o que prever, o que planejar. A única alternativa é fazer um bom resultado. Estou pensando todos os dias 100% de maneira positiva e me preparando para fazer a melhor prova da minha vida”, ressalta o triathleta que pretende chegar entre os 30 melhores e à frente de outros concorrentes diretos pela última vaga do ranking.

Pés no chão – Apesar de ter a vaga como quase certa, Juraci já se preparou psicologicamente caso algo dê errado durante a disputa e ele volte de mãos abanando. “Se eu me classificar, maravilha, mais um sonho realizado. Caso não consiga, vai ser duro, triste, o pior momento da minha carreira, mas com certeza tudo o que passei até aqui valeu a pena e sempre tentarei chegar mais longe. Sou 100% feliz na minha profissão e em tudo que passo”.

Este ano ele venceu a Copa Vina Del Mar, no Chile, em janeiro, obteve o terceiro posto na Copa Continental La Paz, na Argentina, faturou o título individual e por equipes do Mundialito de Fast Triathlon, em Santa Catarina e o pentacampeonato no Sesc Triathlon de Caiobá, no Paraná. Nas provas que contavam pontos para a obtenção da vaga, abandonou a disputa na Copa do Mundo da Austrália devido a um estiramento na coxa e, no final de semana seguinte, não marcou pontos na etapa da Nova Zelândia.

No Pan do México ele terminou na quarta posição, após permanecer uma boa parte do tempo na vice-liderança e na disputa da Copa do Mundo da África do sul chegou em 12º, resultados que o colocaram na seleta lista dos classificados para Pequim. Já na Copa do Mundo da Espanha, o abandono devido à hipotermia, fez com que ele caísse no ranking, motivo pelo qual corre contra o relógio para chegar aos jogos.

Este texto foi escrito por: Webrun

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts