Você costuma “virar o pé” enquanto corre?

A maioria dos corredores já passou pela famosa situação de “virar o pé” enquanto corre, até é possível voltar a treinar e a dor passar rapidamente, porém algumas vezes o entorse pode gerar algo mais grave. Uma das principais causas deste pequeno acidente, costuma ser uma alteração postural.

O fisioterapeuta e colunista do Webrun Claudio Cotter, explica que as questões posturais costumam estar associadas com o que passamos na infância. “A postura, o formato do pé, a forma como pisamos, tudo isso é definido quando somos crianças. Se não houveram estímulos para desenvolver a coordenação motora correta, é possível que essas pessoas tornem-se adultos mais suscetíveis a lesões”.

Um mito comum entre corredores é que o tipo de pisada influencia o entorse. “Não existe essa tendência, nunca li nada que comprove isso, na verdade é ao contrário, já vi artigos que diziam que independente do tipo de pisada, a chance de lesão é parecida”, diz.

Foto: PR Image Factory/Fotolia
Foto: PR Image Factory/Fotolia

Torci o pé e agora?

Não existe alongamento que salve nesta hora, mas na maior parte do tempo isso não costuma ser grave, impedindo a continuidade da corrida. Já quando a lesão é mais séria como uma ruptura de ligamento ou fratura, o corredor sente um estalo importante e recomenda-se que dependendo do nível de dor, ele nem apoio o pé no chão e faça um raio X o mais rápido possível.

“No caso de lesão ligamentar a fisioterapia deve ser iniciada imediatamente, para diminuir o edema e facilitar a cicatrização. Não existem motivos para engessar o pé quando a lesão é ligamentar. Isso só atrapalha o processo de recuperação”, alerta Cláudio. “Use um imobilizador comum quando estiver andando na rua, mas retire na hora da fisioterapia para acelerar o processo de reabilitação com drenagem mais rápida do edema”.

+ Que tal participar do Circuito de Corridas Caixa, etapa Fortaleza? Clique aqui e inscreva-se!

Exercícios leves no começo ajudam a recuperar a musculatura rapidamente, eletro e termoterapia para analgesia e cicatrização são boas opções.

Se você quer evitar tal acontecimento, invista em exercícios funcionais que buscam misturar técnicas de equilíbrio e percepção corporal. Você deve sentir todo o apoio do pé no chão, bem distribuído, junto a isso manter a postura ereta, o que traz benefícios e previne lesões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Christina Volpe

Christina Volpe

Comecei como corredora, depois me tornei jornalista e repórter do Webrun. Hoje sou editora e convivo diariamente com o esporte há 3 anos. Meu coração bate mais forte toda vez que um atleta conquista seu objetivo, uma corrida acontece e assisto uma competição emocionante. Sempre estou aprendendo e dando meu melhor.

Ver todos os posts