Marilson e Ednalva vencem os 10K Tribuna FM

Marilson ultrapassando a linha de chegada em primeiro lugar (foto: Mauricio de Souza)
Marilson ultrapassando a linha de chegada em primeiro lugar (foto: Mauricio de Souza)

Apontados como os corredores mais rápidos do Brasil no momento, o brasiliense Marilson Gomes dos Santos e a paraibana Ednalva Lauriano confirmaram a fama neste domingo (dia 25), em Santos, vencendo a 18ª edição dos 10 KM Tribuna FM. Os dois mostraram grande superioridade, mesmo enfrentando os melhores atletas do País, e chegaram isolados. Marilson (Pão de Açúcar Club/ BM&F/ Mizuno), que já tinha sido o vice-campeão em 99 e o 3º colocado em 2000, completou o percurso oficial da Confederação Brasileira de Atletismo em 28 minutos e 18 segundos. Ednalva (Mizuno/ Governo da Paraíba/ BM&F) comemorou o bicampeonato em 33m25s. Como prêmios ganharam, cada um, R$ 6 mil, de um total de R$ 44 mil aos 15 melhores.

No total, a prova reuniu 7 mil participantes, entre eles muitos grupos de academias, empresas, numa grande festa, praticamente parando a Cidade. Dezenas de milhares de pessoas foram às ruas para aplaudir, torcer, incentivar, principalmente nos dois últimos quilômetros, na avenida da praia. A expectativa era de quebra de recordes, que valiam uma moto Honda Biz, oferecida pela Sanmell Motos, mas os tempos não foram superados. Mesmo assim, as marcas em Santos foram as melhores da temporada até agora, como vêm ocorrendo nos últimos anos.

Entre os homens, Marilson tentava baixar o tempo de Vanderlei Cordeiro de Lima (28m01s). “Vim aqui para bater o recorde, forcei na primeira metade da prova, mas não deu. Essa era uma prova importante que eu queria no meu currículo. Estou muito feliz, ainda mais pelo alto nível que foi. A quebra do recorde é só questão de tempo”, disse Marilson, que está classificado para os Jogos Pan-Americanos de Santo Domingo, em agosto.

Aos 25 anos de idade, ele atravessa grande fase. Encerrou 2002 com o vice na São Silvestre e o 1º lugar nos rankings brasileiros dos 10 mil metros em pista, da meia maratona, dos 15 km e das 10 milhas. “Dedico esta vitória à minha mulher (Juliana de Azevedo, medalha de bronze nos 800 metros no Mundial Juvenil ano passado), que é de Cubatão, cidade vizinha a Santos”, disse Marilson, que atualmente mora em Santo André.

Tri vice-campeão – Neste domingo, ele teve como adversário até a metade do percurso o mato-grossense do sul radicado no Paraná, Elenílson da Silva (Mizuno/ Usaçúcar/ Fisioclínica Maringá), que terminou a prova como vice-campeão pela 3ª vez, com 28m42s. “Sou tri vice. Fui com o Marilson até o km 5, mas depois ele abriu e não teve jeito. Ele está na melhor fase e temos de respeitar”, disse Elenílson, que foi o vice em 2000 e 2001. “O importante é que estou entre os melhores nesta prova, que é a mais forte do Brasil. Passei uma fase difícil, com contusão, fiquei oito meses parado, mas agora ressuscitei”, acrescentou.

O paranaense radicado em São Paulo, Rômulo Vagner (Cruzeiro EC), vice-campeão na Maratona de São Paulo no último dia 11, chegou em 3º lugar, com 28m48s. “Estou vindo de uma maratona forte e é difícil uma recuperação tão rápida. Mas no próximo ano vou me preparar para vencer”, disse. O pernambucano Daniel Lopes (Pão de Açúcar Club/ BM& F) ficou em 4º lugar, com 29m02s, seguido do fluminense Franck Caldeira de Almeida (Petrópolis/ Pé de Vento), com 29m03s.

Feminino – Entre as mulheres, Pretinha, como Ednalva é chamada, não teve rivais. Já no km 1, abriu vantagem sobre as rivais e correu sozinha na frente. Assim como Marilson, ela tinha com grande objetivo baixar o recorde, pertencente à equatoriana Martha Tenório (32m57s), forçou do início ao fim, chegou a passar o km 2 com tempo para garantir o feito, mas sentiu a umidade elevada.

“Eu não estava preocupada com as outras corredoras. Queria mesmo era o recorde, mas a umidade estava muito alta. Fui até o final correndo forte. No ano que vem volto para baixar esse tempo”, disse a campeã, de 26 anos. Esta foi a sua 11ª vitória este ano em provas de 10 KM. “Agora vou com tudo para o Troféu Brasil tentar a vaga para os Jogos Pan-Americanos. A esperança é a última que morre”, afirmou a atleta de Campina Grande.

Em 2º lugar ficou a paulista de São Caetano do Sul, Maria Cristina Vaqueiro (BM&F/ Mizuno), com 33m54s, seguida da santista Sirlene Souza de Pinho (Memorial/ Mizuno/ PMS), a grande revelação da prova e a mais aplaudida. Ex-empregada doméstica, ela começou a treinar com seriedade no atletismo há apenas dois anos, sob orientação do bicampeão mundial dos 100 KM, Valmir Nunes, da equipe Memorial.

“Foi o meu melhor resultado. Estou evoluindo muito e agora vou me preparar para o pódio na São Silvestre”, disse o novo talento do atletismo nacional, que superou grandes nomes, como a catarinense radicada no Rio de Janeiro, Márcia Narloch (Mizuno), a 4ª colocada.

Campeã em 96, Márcia correu em 2º lugar até o km 8, quando foi superada por Vaqueiro e Sirlene, especialistas em provas de 10 KM. “Há menos de um mês eu corri a Maratona de Hamburgo, onde conquistei a 2ª melhor marca brasileira de todos os tempos, com 2h29m59s, e estou cansada. Acho que esse resultado foi ótimo. As meninas correram muito forte. Correr em Santos é muito bom. O povo participa”, disse Márcia. A 5ª colocada foi Selma dos Reis (Mizuno), com 34m11s.

Este texto foi escrito por: Fabio Maradei

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts