O marketing das montanhas. Você compra por influência ou puro gosto?

Correr por montanhas exige uma gama de equipamentos bem maior do que a corrida de rua tradicional. Como gosto de deixar claro: são esportes bem diferentes.

Portanto, nada mais comum ao sair para trilhas e usar equipamentos diferentes dos que utiliza em um treino na rua. Perfeito. Maaaaaaaaas…

Que tipo de material esportivo você compra?

Pergunta ampla, não?! Vou ser mais específico…

Por que você compra determinado material esportivo?

Porque é melhor, porque gostou da cor, porque viu o seu ídolo usando, porque seu amigo usa… Enfim, motivos diferentes nos levam a utilizar e comprar tais equipamentos.

Mas você, realmente, precisa dos equipamentos e acessórios que compra?

“Trekking pole”, “meia de compressão”, “foam roller”, “mochila de hidratação X”, “mochila y”, “tênis com amortecimento”, “tênis com a sola da marca z”, “bermuda de compressão”, “anorak Xmm”, “tênis com gore tex” e por aí vai….

Por que você compra determinado material esportivo? Foto: Pascal Huot/Fotolia
Por que você compra determinado material esportivo? Foto: Pascal Huot/Fotolia

Isso funciona? Há ciência nesses produtos ou marketing puro?

Vou tentar dar um exemplo de fora para elucidar.

Um estudo da Faculdade de Medicina Baylor, no Texas, publicado na revista Neuron, comprovou o que você já deve saber: A marca que mais mexe com seu cérebro é a Coca Cola.

Os pesquisadores dividiram 3 grupos (Coca Cola, Pepsi e tanto faz) em alguns testes.Esses 64 voluntários experimentaram doses dos refrigerantes durante um exame de ressonância magnética funcional, totalmente cegados. Todos os voluntários mostraram atividade aumentada nas áreas do cérebro ligadas à sensação prazer e satisfação e as preferências pelas marcas se dividiram quase que igualmente. Contudo, quando os pesquisadores repetiram o teste informando aos voluntários qual refrigerante estavam ingerindo, 3 em cada 4 disseram preferir Coca-Cola.

Seus cérebros, dessa vez, mostraram maior ativação não só nas áreas de prazer, mas também nas da memória: o córtex pré-frontal e o hipocampo. Este resultado diz, entre outras palavras, que a marca de um produto por si só é importante para o sistema cerebral e vai além da real satisfação que um consumidor obtém de um produto.

Inscreva-se para o Circuito Night Run – etapa Fortaleza!

Este é um campo da ciência chamado Neuromarketing, onde a publicidade em torno de uma marca atinge, sem que percebamos, nossos cérebros.

Trazendo para o mundo da corrida, foi mais ou menos por aí que, nos anos 70, surgiu o “cortez” que revolucionou e alavancou uma das maiores marcas esportivas da atualidade: a nike.

Sem me alongar muito, o que quero provocar é a reflexão de, se realmente, precisamos de tais produtos…

E quando escrevo este texto faço a autorreflexão de quem tem vários pares de tênis. E, alguém, que já foi muito na onda de uma boa propaganda. Obviamente, que há o outro lado da moeda, que é o de negar qualquer produto novo que venha para o mercado. Muitas vezes caímos no erro de criticar, ter aversão a algumas marcas e produtos sem ao menos termos a oportunidade de visualizar, tocar e experimentar.

Quanto maior for sua gama de experiências, mais acertos vai ter em um futuro próximo.

Correr por montanhas exige uma gama de equipamentos bem maior do que a corrida de rua tradicional Foto: Brian Jackson/Fotolia
Correr por montanhas exige uma gama de equipamentos bem maior do que a corrida de rua tradicional Foto: Brian Jackson/Fotolia

Entretanto, a prática mostra o que serve para cada um, vendo a qualidade dos produtos e dando mais credibilidade para as marcas. Isso é algo que acontece naturalmente. Sou um curioso por novidades, sempre que alguém aparece com um produto novo peço emprestado, testo, procuro opiniões… Ao meu ver esse tipo de atitude, consolida melhor opiniões e evita ser pego comprando somente pela propaganda.

Para evitar ser pego em “uma jogada de marketing” deixo 3 dicas:

  1. Leia reviews de várias fontes diferentes
  2. Se possível, experimente o produto de um amigo seu.
  3. Ouça as dicas e opiniões de quem é mais experiente que você.

Conte nos comentários como é sua relação com os produtos. Você adquire marcas novas ou prefere confiar “na de sempre”?

Fonte: McClure SM, Li J, Tomlin D, Cypert KS, Montague LM, Montague PR. Neural correlates of behavioral preference for culturally familiar drinks. Neuron 44, 379-387 (2004)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cristiano Fetter

Cristiano Fetter

Mestre em Ciências do Movimento Humano - UFRGS
Sócio Ultra Funcional Place
Founder Raiz Trail

Ver todos os posts