Medalhista olímpica há 32 anos usa tecnologia para obter nova vaga

Merlene Ottey: tecnologia para disputar Olimpíada aos 52 anos (foto: Erik van Leeuwen/ Licença Creative Commons)
Merlene Ottey: tecnologia para disputar Olimpíada aos 52 anos (foto: Erik van Leeuwen/ Licença Creative Commons)

A velocista jamaicana Merlene Ottey é a competidora que mais esteve em Olimpíadas na história do atletismo. Ottey disputou seis Jogos Olímpicos pelo seu país natal em 20 anos (1980 a 2000), ganhando nove medalhas para a Jamaica nas provas de 100, 200 e revezamento 4×100 metros.

Nos Jogos de Sydney, a corredora conquistou a medalha de bronze nos 100 metros rasos com 40 anos idade impressionante para obter alto desempenho em provas de velocidade. Em Atenas 2004, Ottey competiu pela Eslovênia, país pelo qual se naturalizou, e chegou às semifinais dos 100 metros.

Não conseguiu a classificação para Pequim 2008 e, já com mais de 50 anos, não se esperava que ela continuasse competindo. Mas Ottey tem esperança de estar em Londres em agosto e aposta na tecnologia para otimizar seu rendimento.

Chip colado na pele– A corredora utiliza um biossensor, que consiste em um chip dentro de um adesivo colado em sua pele. A tecnologia não influencia seu rendimento diretamente, mas oferece dados precisos de sua performance para estudo e, a partir de então, aperfeiçoamento.

“Não posso treinar como fazia há 15 anos. Treino há mais de 30 anos e meus músculos foram gradualmente se tornando menos balanceados”, conta Ottey. O chip monitora o esforço que seu corpo faz, coletando dados de fadiga muscular, aceleração, posição, respiração e frequência cardíaca, transmitindo as informações em tempo real para uma equipe de técnicos.

Desta forma, Ottey pode adaptar seu treinamento ou prevenir lesões com base em dados bem definidos, melhorando seu desempenho. A doutora Leslie Saxon, do Centro de Computação Corporal da Universidade de Southern California (EUA), acredita que o uso dos biossensores pode levar o esporte a um novo patamar.

“Podemos combinar as medidas e misturá-las usando programas estatísticos e analíticos para ter uma visão completa do preparo físico do atleta”, defende a doutora Saxon. Em 2011, Merlene Ottey teve como melhores marcas 11seg84 nos 100 metros e 24seg64 nos 200 metros. Os índices A definidos pela Iaaf para a vaga olímpica são de 11seg29 e 23seg10.

Este texto foi escrito por: Webrun

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts