Morte Súbita… passado, presente, futuro

O ontem já foi vivido, o amanhã a Deus pertence, nos resta encarar o presente! O que se viu e ouviu nos remete a várias reflexões. Nos lembraram de atletas falecidos tragicamente no esporte, uns famosos outros não, discutiram culpados e condutas médicas, indicaram erros em geral ( quase que o motorista foi o culpado) sem o menor conhecimento do assunto em questão. Vários profissionais da saúde especialistas ou não, mas pouco afeitos à medicina de emergência e ao esporte, aproveitando o momento e ainda de última hora opinaram, invadiram a privacidade de muitos atletas vivos, sem a menor ética, e vejam só tiveram a coragem de condenar a tentativa heróica de salvamento do infeliz atleta, nas condições críticas e emocionais daquele momento trágico.

Sem um treinamento repetido até exaustão qual o bombeiro que se mantém eficiente? Uma Brigada de Emergência do Resgate treina diariamente, agora os nossos médicos heróis não habituados àquela situação terrível, fizeram o recomendável e possível.

Voltando do Congresso Médico 100 anos da FIFA, onde fomos bombardeados com perguntas sobre a morte súbita no futebol, que coincidentemente era uma das nossas duas conferências, gostaria de esclarecer alguns pontos.

O atleta não teve até o momento definida a causa de sua morte; nessa faixa de idade o mais freqüente é uma cardiopatia congênita ou genética ou infecciosa (uma Virose ou doença de Chagas etc.) o esporte mesmo intenso feito por atletas de coração sadio, nunca é causa de risco de morte; só ocorre um evento cardíaco como arritmia e morte num coração previamente doente mas cuja doença era desconhecida ou não valorizada pelo atleta-paciente ou seu responsável. Sabemos que 85% das mortes súbitas ocorrem após grave e instantânea arritmia conhecida como fibrilação ventricular, cujo único tratamento é um choque com desfibrilador externo. Após manter circulação cerebral com sangue minimamente oxigenado pela massagem cardíaca e respiração boca a boca, devemos dar o choque que PODE salvar 70% dos casos se atendidos em até 3 minutos.

Portanto quero deixar claro que mais ética e respeito devemos ter nesse momento, medidas urgentes futuras obrigatórias por lei, de exames médicos prévios completos para atletas competitivos no início de cada temporada e brigadas de emergência de não médicos bem equipadas para atender atletas e torcedores deverão ser implementadas

Este texto foi escrito por: Dr. Nabil Ghorayeb

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts