A natação é a prática mais segura durante a pandemia?

Muitos meses se passaram desde o começo da pandemia, que trouxe severas consequências para os amantes das atividades físicas. Academias fechadas, parques com portões lacrados, esportes coletivos proibidos, e na natação não foi diferente. Com os clubes, áreas sociais de condomínios e locais especializados para a prática inacessíveis aos praticantes, os atletas se viram em um beco sem saída, pelo menos até os últimos dias quando alguns desses locais começaram a reabrir. Com os estudos sendo cada vez mais precisos e com toda a flexibilização da quarentena, será que a natação é a prática mais segura durante a pandemia?

Para responder não apenas a esse questionamento, mas tirar também outras dúvidas sobre a modalidade, conversamos com o educador físico Welton Guerin. “Durante os meses antes da flexibilização, sem dúvidas, o setor aquático foi um dos mais afetados pela pandemia. Conforme as outras modalidades poderiam realizar as lives e treinos online, a natação foi impedida de utilizar tais plataformas, embora muitos profissionais realizavam treinamentos à seco, simulando exercícios da natação. O que os profissionais fizeram para manter as pessoas conectadas foi estudar e enviar links e meios das pessoas ficarem conectadas com a modalidade”, comenta.

+ Não fique de fora! Veja como participar de um evento de natação!
A natação é a prática mais segura durante a pandemia?
Foto: Adobe Stock

Mas já é realmente seguro voltar às piscinas? 

De acordo com um estudo publicado na Espanha, não existem evidências do contágio do novo coronavírus em piscinas. O que se sabe é que todo o cuidado precisa ser tomado no entorno das mesmas, mas que dentro da água (desde que a concentração de cloro livre seja igual ou menor que 0,5 mg/L e o Ph menor que 8,0, o que faz com que o vírus seja destruído pelo cloro existente na água) não há risco de contágio.

“Normalmente a concentração de cloro livre recomendada para as piscinas deve ser em torno de 2 mg/L, ou seja, cerca de 4 vezes maior que a necessária para desinfetar a água contra o coronavírus”, explica Guerin.

Para que um treino na piscina possa acontecer, é importante evitar o descanso próximo às pessoas que também estejam na aula, além de priorizar o não compartilhamento de materiais. Esses, devem ser desinfectados antes e depois das aulas. O professor comenta que é aconselhável também usar a piscinas com as raias não no comprimento, mas sim na largura.

“O cloro mata o coronavírus e talvez a natação se torne o esporte mais seguro no período pós pandemia, por se tratar da única modalidade esportiva em que o participante está totalmente envolvido no fluido que higieniza e mata o vírus. Além, é claro, de não existir um contato direto entre os participantes”, frisa o educador.

Foto: Arquivo Pessoal
+ Seu próximo evento virtual está aqui! Não perca!

Além das medidas já citadas, para que as atividades aquáticas aconteçam, os protocolos de segurança são rígidos e impedem a utilização de áreas comuns, como os vestiários; além de  exigir algumas adequações ao deck e na disposição dos alunos na piscina. Os protocolos utilizados por academias e clubes atualmente são regidos e regularizados por entidades como o CREF, CONFEF, ACAD, além da CBDA e a FINA (Federação Internacional de Natação).

A natação é a prática mais segura durante a pandemia?
Foto: Arquivo Pessoal

*Fonte: Prof. Es. Welton Guerin, educador físico pós-graduado em Atividades Aquáticas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leonardo Boscolo

Leonardo Boscolo

Sou um apaixonado por esportes e aspirante a corredor. Um jornalista que vê na corrida um mundo de objetivos a serem alcançados, realizações pessoais e a oportunidade de se tornar cada dia uma pessoa melhor.

Ver todos os posts