O crescimento das trails e a preservação do “nosso quintal”

Correr nas trilhas é algo sensacional! Nos deixa mais leves, nos conecta com a natureza e limpa nossa mente. Mas, qual impacto estamos gerando para natureza e para as próximas gerações?

Corro por trilha há quase 10 anos e nessa década vi o esporte crescer exponencialmente. Em 2013 (apenas 5 anos atrás), eram somente 6 provas no Brasil que tinha o selo internacional da ITRA (International Trail Running Association) já em fevereiro de 2018 são 56.

Obviamente, este selo é apenas um parâmetro para que entendamos o tamanho do crescimento deste esporte e, sinceramente, a grande maioria das pessoas nem sabe direito para que ele serve. Mas isso é outro papo. Vamos focar.

O fato é o esporte está crescendo, todos os dias surge uma prova nova na minha (na sua) timeline. Cada uma delas percorre (teoricamente) locais pouco conhecidos, trilhas que algumas pessoas daquela determinada região utilizam e ambientes diferentes. Em suma, são lugares mais afastados que trazem uma novidade.

Essa migração para o trail é natural, as pessoas cansam de correr as mesmas provas de rua, nos mesmos locais, sempre. Elas querem novidades, desafios. E nada melhor que uma prova trail para se desafiar.

Mas, diferente das provas de rua em que a organização passa para recolher os copos descartados (e depois ainda tem o pessoal da limpeza urbana), nas provas trail nem sempre a organização da prova consegue fazer limpar tudo. Muitas vezes, nem por falta de vontade, mas, porque os corredores jogam seus “lixos” fora da trilha.

Nas provas ainda tem a organização que tem responsabilidade de preservar o local, mas e os treinos que você faz? Nos nossos treinos não há ninguém cuidando do que jogamos nas trilhas ou não.

Foto: Fotolia
Foto: Fotolia

Não vou ser hipócrita, nesse tempo em que corro, já evolui bastante a forma de pensar, me lembro de ter deixado cair gel em uma prova e não parar para recolher porque teria a organização para fazer isso. Até era em uma estrada, mas nada justifica essa atitude. Até hoje lembro disso. Desde então, tenho feito o máximo para que a minha passagem pelos locais seja pouco percebida pelo ambiente.

Normalmente, treino com os amigos em morros e trilhas bem urbanas, é muito comum ver lixo nesses locais. Invariavelmente recolhemos algumas coisas. Preservar nosso “quintal” também é nossa missão.

Com todo esse crescimento do trail, novos corredores têm começado a frequentar as trilhas, treinos e provas. Porém, como são guiados por atletas mais antigos a iniciação e o entendimento da proteção e conservação ambiental são muito maiores. Óbvio que tem aqueles que “não estão nem aí”, mas logo são repreendidos pelos parceiros de treino.

Participe da Corrida e Caminhada pela inclusão!

É tendência nas provas, a autossuficiência, que nada mais é do que carregar tudo aquilo que você precisa para completar a jornada, inclusive água. Na verdade, hoje a maioria caminha para a autossuficiência total e ainda essa “semi-autosuficiente”, nada mais é que alguns pontos de apoio de água, mas sem a utilização de copos descartáveis.

Tenho mais contato com as provas e circuitos aqui do sul, onde, por exemplo, temos o projeto do circuito Audax, que oferece já há algum tempo no kit do atleta copos retráteis para utilização durante a prova e, estão “educando” seus corredores para que no futuro (ano que vem) todo o circuito seja autossuficiente.

A autossuficiência ensina muito para o atleta, talvez a prova que mais leve isso a sério seja a La mission Brasil, na serra da Mantiqueira, onde o ponto de água são as nascentes e córregos de da região.

De qualquer forma, nós corredores devemos preservar e tentar realizar ações conjuntas para preservação dos locais que utilizamos para treino. Treinos festivos com recolhimento de lixo, ações em conjunto com a comunidade local para tentar conscientizar os moradores e, principalmente dar exemplo para os novos amigos que chegam nas trilhas e nossos filhos, que são quem vão viver neste ambiente.

Outro exemplo bacana, é a filiação da Raiz Trail, da qual faço parte, em um programa das nações unidas que mobiliza mais de 35 milhões de pessoas em 130 países. Se chama Clean Up, uma campanha mundial que visa incentivar comunidades, ONGs ou grupos para que limpem arrumem e conservem o meio ambiente em suas regiões. Com isso, nossas ações podem ser vistas e compartilhadas pelo mundo, incentivando outras pessoas a também preservar o “seu quintal” de treino.

Se cada um fizer a sua parte, todos poderão viver e conviver em harmonia com a natureza. Afinal, não queremos destruir “nosso quintal”, nem o quintal do vizinho. Queremos continuar praticando nosso esporte na sua essência.

E na sua região, como funciona a questão ambiental? Compartilhe nos comentários a sua experiência para que mais pessoas se motivem a preservar o meio ambiente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cristiano Fetter

Cristiano Fetter

Mestre em Ciências do Movimento Humano - UFRGS
Sócio Ultra Funcional Place
Founder Raiz Trail

Ver todos os posts