Você sabe como é feita a organização das maratonas aquáticas?

Não é difícil ver em cidades com praias anúncios para eventos de aquathlon, travessias e até mesmo maratonas aquáticas, afinal o homem adora desbravar a natureza e o mar não ficou de fora. Provar que é capaz de nadar grandes distâncias ou mais rápido, são alguns dos desafios que os nadadores participantes desse tipo de competição buscam.

Quer participar de uma maratona aquática? Clique aqui!

 Julia Camargo, gerente do projeto da Effect Sport, empresa que organiza o evento Rei e Rainha do Mar, explica como as maratonas aquáticas funcionam. “Podem ser feitas de duas maneiras: um circuito com largada e chegada no mesmo local, ou travessia, onde o atleta larga de um ponto e chega nadando a outro, até mesmo uma outra praia, dependendo da distância”.

Foto: Satiro Sodré/SSPress/Effect Sport
Foto: Satiro Sodré/SSPress/Effect Sport

O primeiro desafio do Rei e Rainha do Mar aconteceu em 2008, quando Luiz Lima nadou 35k do Leme ao Pontal. No ano seguinte o  Rei do Mar foi lançado para atletas amadores. Hoje, já são nove anos e mais de 35 etapas realizadas no Rio e em outras cidades do Brasil.

Dificuldades

Como o evento é realizado na natureza, a organização sempre é impactada por qualquer mudança climática que houver. A natureza manda e por mais que o planejamento e monitoramento sejam feitos, as marés, correntes e ondulações podem mudar de um dia para o outro. É preciso estar preparado para fazer os ajustes necessários, mantendo a segurança de todos os atletas e staffs envolvidos.

Foto: Vitor Silva/SSPress/Effect Sport
Foto: Vitor Silva/SSPress/Effect Sport

“Essa é a principal dificuldade que temos, mas também a característica que mais amamos”, conta Roberta.

Cuidados básicos para participantes

Tantos amadores quanto profissionais devem primordialmente estar em dia com a saúde e os treinos. “Para estimular os atletas nós exigimos apresentação de atestado médico e técnico para as provas de água”.

No Rei e Rainha do Mar a organização leva muito a sério o efetivo de staff de salvamento em mar e terra. “O quantitativo varia de acordo com a distância do percurso e o número de inscritos. O que não pode nunca mudar é a habilidade e agilidade dos responsáveis por essa tarefa”.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

‘Educar’ os atletas também é uma ótima estratégia, assim eles ficaram atentos para levarem em consideração outros competidores. Sempre deve-se observar os nadadores que estão na frente ou atrás, além disso, é uma boa checar sempre se está tudo bem como seu ‘vizinho’ ao ocorrer um esbarrão dentro da água (algo bem frequente em provas cheias e/ou disputadas). “Todos que estão no local tem papel fundamental em garantir a segurança um dos outros no evento”, alerta Roberta.

Onde costumam ser realizadas os eventos?

Em praias, rios, lagos. São mais comuns em praias, então quando o evento acontece em água doce, acaba oferecendo desafios diferentes para o nadador e é bacana colá-los em situações que variam os estímulos e desafios.

Foto: Satiro Sodré/SSPress/Effect
Foto: Satiro Sodré/SSPress/Effect

Inspire-se e participe!

Em 9 anos de Circuito, o Rei e Rainha do Mar já recebeu grandes nomes da maratona aquática nacional e internacional como Poliana Okimoto, Ana Marcela Cunha, Allan do Carmo, Betina Lorscheitter, Ferry Weertman (Campeão Olímpico) Haley Anderson (EUA), Christine Jennings (USA), Rachele Bruni (Vice campeã olímpica), Trent Grumsey (AUS), entre outros.

O próximo evento será em Salvador, no dia 16 de setembro e 11 de novembro em Ubatuba.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

“Sentimos um orgulho gigante em proporcionar eventos que estimulam a prática de exercícios na natureza. Acreditamos que a união entre esporte e natureza é capaz de transformar vidas, com isso tentamos tocar cada vez mais pessoas e levar a elas a consciência da responsabilidade que temos em cuidar da natureza. Nossa verdadeira casa neste mundo”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Christina Volpe

Christina Volpe

Comecei como corredora, depois me tornei jornalista e repórter do Webrun. Hoje sou editora e convivo diariamente com o esporte há 3 anos. Meu coração bate mais forte toda vez que um atleta conquista seu objetivo, uma corrida acontece e assisto uma competição emocionante. Sempre estou aprendendo e dando meu melhor.

Ver todos os posts