Osteocondrose: veja como a sobrecarga de treinos pode prejudicar as crianças

O aumento da intensidade das atividades esportivas, combinado com a cobrança por performance diária, está tornando as lesões por uso excessivo em crianças mais comuns. Essas lesões localizam-se principalmente na cartilagem epifisária. O termo amplo para essas lesões é a osteocondrose, também conhecida por osteocondrite, que se refere mais especificamente às condições inflamatórias do osso e da cartilagem. Nos adultos conversamos na matéria sobre como essa dor acontece nas articulações.

A osteocondrose pode ser epifisária, fisária ou apofisária, dependendo do local afetado. A condição pode estar na forma primária deformante ou na forma dissecante. Embora não haja consenso sobre a etiologia da osteocondrose, múltiplos fatores parecem estar envolvidos: fatores vasculares, traumáticos ou mesmo microtraumáticos.

+ Confira aqui o seu calendário completo de corridas de rua!

A maioria das lesões por excesso de uso envolve os membros inferiores, especialmente os joelhos, tornozelos e pés. Os mais típicos são a doença de Osgood-Schlatter ( joelho) e a doença de Sever (calcâneo); em ambas as condições, os tendões permanecem relativamente encurtados durante os picos de crescimento mas todas tem em comum: a sobrecarga.

Analisar a atividade esportiva de uma criança não é simplesmente uma questão de somar o número de horas gastas semanalmente em esportes organizados, mas também o número de atividades físicas recreativas dentro e fora da escola. Isso nos mostra que um certo número de crianças e adolescentes pode estar sobrecarregando-se fisicamente, o que pode resultar em lesões por excesso de uso no sistema musculoesquelético.

Osteocondrose: veja como a sobrecarga de treinos pode prejudicar as crianças
Foto: Adobe Stock

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ana Paula Simões

Ana Paula Simões

Professora Instrutora e mestre em Ortopedia e Traumatologia do Esporte da Santa Casa de SP. Membro internacional e nacional da Sociedade de medicina e cirurgia da Perna, Tornozelo e Pé. Vice presidente da sociedade paulista de medicina esportiva. Comissão da prova de título da Sociedade Brasileira de medicina do esporte. Membro da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade de Traumatologia Esportiva. E também é corredora e nadadora.

Ver todos os posts