Psicólogo ou Técnico: quem chamar primeiro?

Dizer que para um atleta ter um bom desempenho em provas é indispensável a presença de um técnico pode parecer óbvio, mas não é. Ainda há muitos atletas que desejam obter resultados em provas e treinam sozinhos. Muitos desses atletas são formados em Educação Física e montam suas próprias planilhas de treino.

Vamos iniciar nosso texto tratando de um desses casos, como o citado – o educador físico que prescreve seu próprio treino. Pensar nesse sujeito é o mesmo que pensar num cirurgião que opera a si mesmo, ou um advogado que vai a um tribunal sozinho, sem representação, ou de um modo caricato, um psicanalista que deita no seu próprio divã a fim de curar-se.

Essa situação pode ser pior quando o atleta não é um educador físico, pois este não conhece as especificidades necessárias ao treino, podendo causar lesões, ou no mínimo, não atingir os objetivos pretendidos e se sentir desmotivado por isso.

Nos exemplos acima notamos uma clareza da impossibilidade de uma…- digamos… – auto ajuda, e podemos, então, perguntar-nos: porque um educador físico pode auto-ajudar-se?

Sobre o técnico – Falando do ponto de vista da psicologia podemos dizer que o técnico é imprescindível em qualquer caso no qual o objetivo seja o treinamento. Este profissional que garante a qualidade do treino, de modo a proporcionar qualidade de vida para aqueles que praticam uma atividade física, e melhores desempenhos para aqueles que buscam competir.

No primeiro caso o técnico é a melhor pessoa para avaliar os riscos e a qualidade da atividade que está sendo exercitada. É ele também que pode garantir a diversidade do treino, impedindo que este fique monótono e desestimulante para o praticante, motivo que leva muitos deles a desistirem após alguns meses. Nesse caso também é o técnico a melhor pessoa para avaliar a ocorrência de uma lesão, indicando uma parada ou simplesmente a redução da intensidade de treino.

No caso dos atletas, principalmente daqueles que buscam desempenho em competições, o técnico é uma figura fundamental, não só na melhoria do condicionamento físico, mas no trabalho psicológico que pode levar um atleta a ser campeão.

Um bom técnico não cuida só do corpo, é ele quem vai planejar as provas e os treinos, montar os ciclos, periodizar os treinos, discutir com o atleta sobre qual competição participar e em que momento. Ele baseia-se no desempenho físico para traçar metas, tanto nos treinos quanto em competições, que realizem os objetivos do atleta.

Mas parece que a pergunta ainda permanece: o atleta não pode traçar as suas próprias metas e realizar o seu próprio planejamento? Bem… Então vamos falar de outro modo. O técnico é a pessoa habilitada para cobrar de um atleta mais força, ou melhor, desempenho em um treino, baseado em suas observações. É ele também que pode avaliar o limite entre desejo e realidade, e, de modo objetivo, adequá-los.

Vou dar um exemplo: o atleta A sonha em ser campeão brasileiro de atletismo. Ele é formado em Educação Física e prescreve seus próprios treinos. Ele traça metas, mede seus tempos e acredita que poderá correr o Brasileiro no final do ano. Podemos perguntar: ele está flexibilizando seus tempos e suas metas aproximando-os de seus desejos ou está traçando caminhos realmente objetivos?

O técnico, no caso acima, tem condições de mensurar o desempenho desse atleta, cobrar dele que os treinos e as metas sejam cumpridas, e traçar estratégias adequadas a realidade do corredor, sem deixar-se influenciar pelas emoções que envolvem o desejo e as frustrações que a sua não realização acarretam. Quero dizer: o atleta A pensa em ser campeão Brasileiro de atletismo, mas não consegue vencer o campeonato regional, por isso fica frustrado e está acreditando que não é um bom corredor. Com a ajuda de um técnico pode-se avaliar o que o impede de vencer, e traçar um novo esquema de treino para superar essa dificuldade.

Devemos ter claro, que o trabalho do psicólogo do esporte é muito importante, mas só surte efeito numa equipe multidisciplinar. Sozinho o psicólogo não faz milagres, não passando de um luxo desnecessário junto com o técnico ele pode colaborar muito para a melhora do desempenho do atleta.

Por isso, se você prescreve seus próprios treinos e não está conseguindo atingir os seus objetivos, antes de pensar em contratar um psicólogo, contrate um técnico. Muitos dos problemas serão resolvidos e outros aparecerão. Converse com o seu novo técnico se ele topa ter um psicólogo trabalhando com ele.

Este texto foi escrito por: Marcus Teshainer

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts