Radcliffe admite que terá dificuldades em Pequim

A poluição será um grande adversário para Radcliffe (foto: Donata Lustosa/ www.webrun.com.br)
A poluição será um grande adversário para Radcliffe (foto: Donata Lustosa/ www.webrun.com.br)

A maratonista britânica Paula Radcliffe comenta os problemas que ela e as outras competidoras devem encontrar na Maratona da olimpíada de Pequim. Em 2004, nos jogos de Atenas, ela não completou a prova devido ao calor, condição que deve ser parecida em Pequim, aliada com a poluição e alta umidade.

“Os tempos vão ser mais lentos, mas será duro para todo mundo, o que será bom para mim. Com uma prova mais dura, os competidores mais fortes é que vão se destacar”, ressalta Radcliffe. A atleta de 34 anos, que tem uma filha de 14 meses, diz ainda que não se pode ver apenas uma pessoa como ameaça, mas sim um grupo e ainda tomar cuidado com alguém que esteja em ótima forma e que pode surpreender.

Em 1996 ela foi a quinta colocada nos cinco mil metros dos jogos de Atlanta e quatro anos depois obteve a quarta colocação em Sidney, mas seu grande trauma foi na edição de Atenas, na prova de maratona. Considerada favorita ao ouro, ela teve uma reação aos antiinflamatórios prescritos para uma lesão na perna e abandonou a disputa faltando três milhas (4,8 quilômetros) para o fim.

Ela ainda busca o ouro olímpico e, para isso, utiliza algumas provas como parte do treinamento, como em novembro passado, ocasião em que faturou o bi da Nova York ao desbancar Gete Wami. “Um ouro nas olimpíadas é muito melhor do que um ouro no Mundial” finaliza a maratonista que disputará pela quarta vez a Maratona de Londres em abril.

Este texto foi escrito por: Webrun

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts