Técnicas da marcha atlética

A técnica deverá permitir um modo de marchar que favoreça:

a) a inércia de translação;
b) a manutenção do centro de gravidade segundo uma linha mais horizontal possível.
c)O padrão técnico é essencial no sentido do cumprimento às regras, assim como, a marcha eficaz e bem estabilizada determinará o nível da performance do praticante. Esses motivos apontam a necessidade do desenvolvimento técnico desde o início dos treinamentos, de modo a evitar assimilação de posturas e movimentos que poderão ser obstáculos no decorrer da carreira, sendo que o trabalho técnico nunca termina.
d)Os movimentos determinantes da técnica distinguem-se em primários executados pelos segmentos inferiores, tratando da translação do corpo; e secundários onde o tronco e braços (flexionados a 90o ) têm a função de compensação e equilíbrio da marcha.

Principais Fases do Movimento

Apoio Simples – (Fig. 1) a perna de apoio mantém-se estendida, apoiando o peso corporal, e o quadril estará daquele lado, no ponto mais alto da sua rotação a perna oscilante estará em ligeira flexão do joelho, buscando rapidamente por um novo contato com o solo. Assim que a oscilação passe pela base de apoio, o que acontece também com o centro de gravidade, inicia-se a fase de impulsão (Fig. 2) por ação do pé que está apoiado.

Duplo Apoio: (Fig. 3) fase terminal da impulsão pela ponta do pé detrás, e ao mesmo tempo, início do contato com o calcanhar do pé à frente. A extensão do passo, verificada nesta fase x a freqüência do mesmo, determinará a velocidade do marchador.

(Fig. 1) Apoio Simples (Fig. 2) Fase de Impulsão (Fig. 3) Duplo Apoio

Este texto foi escrito por: Claudio Bertolino

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts