Valmir Nunes tenta bi em ultramaratona na Grécia

Valmir vai encarar mais um desafio na Grécia (foto: Divulgação)
Valmir vai encarar mais um desafio na Grécia (foto: Divulgação)

Valmir Nunes, um dos principais nomes em ultramaratona no Brasil busca na próxima quinta-feira (5) o bicampeonato na corrida de 24 horas do Festival de Ultramaratona Internacional Helênico, em Loutraki, na Grécia. Vence a competição quem percorrer a maior distância possível.

Ano passado o corredor de 43 anos completou 212 quilômetros, contra 205 do suíço Eusébio Bochons e 201 do estoniano Peeter Vennikas. Essa será a sexta competição de Valmir na Grécia, país em que ele já venceu a “Spartathlon”, uma das principais ultramaratonas do Mundo, com 246 km de percurso montanhoso entre Atenas e Sparta. Essa prova refaz o caminho do soldado Pheidippides, para buscar reforços durante a Guerra entre gregos e persas, em 490 AC.

Valmir pretende brigar pela vitória, mas não acredita que vá bater seu recorde pessoal (e das Américas) de 273,8 quilômetros, obtido em 2003 em Taiwan. “Estou em ritmo de treinamento para uma prova em julho e não vou forçar muito. Espero superar o que corri no ano passado, mas não acredito que possa bater o meu recorde. Na verdade, vou correr contra mim mesmo, buscando melhorar”, comenta.

Em julho ele disputará a “Badwater”, prova de 217 quilômetros ininterruptos no Vale da Morte, na Califórnia, Estados Unidos, onde enfrentará temperaturas de até 55 graus Celsius. “Esta prova será realmente difícil, mas gosto de desafios, de superar limites”, ressalta. Ele conquistou o direito de participar dessa prova após vencer a Brazil 135 Ultramaratona, competição de 217 quilômetros pela Serra da Mantiqueira.

Histórico – Em 17 anos de dedicação às competições de longa distância o competidor já acumula mais de 30 títulos. Entre eles verdadeiros desafios ao limite de um ser humano, como a Prova Pico Subida de Veleta, em Granada, na Espanha, com 50 quilômetros de subida íngreme, largada a 656 metros de altitude e a chegada a 3.470 metros acima do nível do mar.

Ele também ostenta no currículo dois títulos mundiais nos 100 quilômetros em 1991, na Itália e em 1995 na Holanda, além do recorde de 6h18min37. Além de correr ele faz a função de técnico de alguns atletas de ponta, como Sirlene Pinho, pré-convocada para a maratona nos Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro.

Este texto foi escrito por: Webrun

Redação Webrun

Redação Webrun

Releases, matérias elaboradas em equipe e inspirações coletivas na produção de conteúdo!

Ver todos os posts